icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
15/07/2014
12:35

Esses podem realmente serem chamados de professores. Eles indicaram o caminho às respectivas seleções e colocaram à campo times organizados e efiientes durante a Copa do Mundo de 2014. Técnicos que botam inveja em todos os torcedores brasileiros.

1 - Joachim Löw

 
Patrik Stollarz/AFP)
Esse sabe como usar as peças que tem. A Alemanha é a seleção que mais encanta na Copa do Mundo. Não é só porque massacrou o Brasil. O time tem consciência tática, joga de forma compacta, com passes precisos e abusando da posse de bola. Mas não é toque para o lado. Digamos que, com Joachim Löw, a Alemanha aperfeiçoou o que foi feito pela Espanha nos últimos anos. É claro que o técnico foi esperto e usou como base o Bayern de Munique de Guardiola, inclusive colocando Lahm como volante. Mas já que o capitão fez o time crescer atuando pela lateral, foi assim que ele passou a ser escalado a partir da semifinal. E deu no que deu. 


2 - Alejandro Sabella

 Ele começou meio teimoso, mandando a Argentina a campo num 5-3-2. Que coisa feia! Mas deu o braço a torcer e mexeu no esquema tático do time, que tem um desempenho defensivo muito bom. Não é por acaso que chegou à final.


(Foto: Adrian Dennis /AFP)


3 - Luis Van Gaal

 
Adrian Dennis/AFP
 Um leque impressionante de variações táticas foi promovido na Holanda nesta Copa do Mundo. Van Gaal pegou um time desacreditado e desfalcado, mexeu nas peças e soube tirar da Laranja um futebol delicioso de se ver. Usou três zagueiros, linha de quatro, ousou na frente e brilhou até quando trocou o goleiro para a disputa de pênaltis contra a Costa Rica. Van Gaal deixa a Copa em alta para assumir o Manchester United.


4 - Jorge Luis Pinto


(Foto: Ronaldo Schemidt/AFP)
Nenhum time termina a Copa do Mundo com a melhor defesa, tendo deixado para trás três campeões do mundo em grupo da morte. A Costa Rica surpreendeu e boa parcela disso vem da cabeça do colombiano Jorge Luis Pinto. Além da eficiência na marcação, o time mostrou velocidade e organização ofensiva quando se propôs a atacar. Que o diga o Uruguai, que levou uma sapatada logo na estreia, por 3 a 1.


5 - José Pékerman


Foto: Luis Acosta/ AFP)
 O argentino comandou a Colômbia em uma campanha histórica para o país. E olha que o principal jogador, Falcao García, foi cortado por lesão. Mas Pékerman conseguiu fazer com que o time não sentisse falta do atacante. Preparou o terreno para que James Rodríguez desse show e estivesse muito bem assessorado. A Colômbia foi ofensiva, efiiciente pelas laterais e com um meio-campo muito esforçado para recuperar e sair a bola com velocidade.