icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
25/03/2014
16:40

Alívio no Parque São Jorge. Quase quatro meses após a assinatura de contrato, o Corinthians recebeu R$ 260 milhões dos R$ 400 milhões que serão emprestados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para a construção da arena em Itaquera, palco da abertura da Copa do Mundo. O clube tem de quitar em até 12 anos.

A Caixa Econômica Federal, que repassou o valor, informou que “a expectativa é que o desembolso dos R$ 140 milhões restantes aconteça nos próximos meses”. Detalhe: a Arena Corinthians está com 98% das obras concluídas (a Odebrecht ignora detalhes e obras exigidas pela Fifa) e faltam menos de três meses para a abertura da Copa do Mundo. O clube, bem mais otimista, espera que a outra parte do empréstimo (R$ 140 milhões) seja liberada nos próximos 15 dias.

O dinheiro corresponde a 65% do total que será disponibilizado pelo BNDES por meio da linha de financiamento Pro Copa Arenas, exclusiva para estádios que serão utilizados no Mundial. Ele será direcionado diretamente para a Arena Fundo Imobiliário, gestora do estádio até a quitação do empréstimo.

De acordo com o clube, a demora para a liberação do dinheiro se deu pela burocracia que envolvia a escritura junto à Prefeitura, por conta da Concessão de Direito Real de Uso (CDRU). Essa falta de agilidade na liberação do empréstimo fez com que o Corinthians recorresse a dois empréstimos-ponte (Banco do Brasil e Santander)

CDRU significa a Concessão de Direito Real de Uso da área em que será construída a Arena, firmada entre a Prefeitura do Município de São Paulo e o Clube em 20 de dezembro de 1988, e que será cedida (livre de quaisquer ônus ou pendências, as quais remanescerão exclusivamente sob a responsabilidade do Clube) ao Fundo, a título de integralização de quotas, observada a necessidade de prévia aprovação do Município de São Paulo.

Já a Caixa limita-se a explicar que “para repassar os recursos, as formalidades cartoriais deveriam ser concluídas”