icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
21/03/2014
13:51

O presidente da Fifa, Joseph Blatter, se recusou por três vezes a comentar as denúncias de corrupção na escolha do Qatar como sede da Copa do Mundo de 2022. O suíço concedeu nesta sexta-feira coletiva de imprensa, após reunião do comitê executivo da entidade.

- O comitê de ética é um órgão independente da Fifa e está conduzindo a investigação. Tenho o direito de não fazer comentários até o fim dela - disse Blatter, quando foi questionado sobre o tema.

Nesta semana, o jornal inglês "Daily Telegraph" publicou que investigações do FBI apontaram que Jack Warner, ex-presidente da Fifa, recebeu 1,2 milhão de dólares de Mohammed bin Hammam, principal articulador da campanha do Qatar. Ambos não fazem mais parte do quadro da entidade.

Ainda sobre o Qatar, a Fifa anunciou que Blatter deve viajar ao país em maio para averiguar as condições de trabalho dos operários envolvidos nas obras para o Mundial de 2022. O dirigente, porém, isentou a Fifa de qualquer responsabilidade sobre uma possível exploração dos trabalhadores.

- Insistimos em dizer que a responsabilidade é total do estado qatariano e das empresas que contratam os operários. Somos responsáveis por nossos funcionários. As grandes companhias têm de assumir suas responsabilidades, não podemos interferir, só dialogar - afirmou.