icons.title signature.placeholder Fabricio Crepaldi
14/11/2013
09:17

Cerca de seis horas. Esse foi o tempo que durou o encontro de José Carlos Brunoro com o técnico argentino Marcelo Bielsa, na última semana, em Buenos Aires, que acabou com o sonho da diretoria do Verdão em conseguir contratá-lo.

Porém, apesar da negativa, as impressões que o dirigente teve do treinador foram as melhores possíveis.

A começar pela ótima recepção que o argentino dispensou a Brunoro. Se mostrou muito solícito desde o início das conversas e no encontro pessoal a atitude foi semelhante.

O lado profissional também impressionou. Na reunião, o clube teve a certeza que ele é um cara diferenciado, pelo seu conhecimento sobre futebol e até sobre o Palmeiras. Mostrou-se extremamente inteligente, com boas ideias e atualizado.

A empatia foi recíproca. Bielsa gostou muito do projeto apresentado pelo Alviverde, da estrutura do clube e do pensamento da direção. O Verdão voltou da reunião com a impressão de que, se há um clube preparado para ter o argentino no comando, é o Palmeiras.

Isso falando na parte fora de campo. Dentro dele, ficou um temor de que os jogadores poderiam não se adaptar rapidamente ao estilo de trabalho e às convicções do treinador. Mas a pedida de R$ 1 milhão por mês, livre de impostos, foi o grande empecilho do negócio.

O Palmeiras viu em Bielsa um técnico muito diferenciado, de impacto. Essa é a justificativa usada por Kleina ter sido preterido.