icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
15/11/2013
17:07

Na reta final de preparação para a Copa dos Campeões, os levantadores da Seleção Brasileira masculina de vôlei, Bruninho e Raphael, viveram uma experiência diferente nesta sexta-feira, em Hirakata, no Japão. Após comandar o treino do elenco verde-amarelo, o técnico Bernardinho iniciou um trabalho específico, que contou com a participação dos dois atletas, além de Otake e Fukatsu, armadores do Panasonic Pathers.

O objetivo foi estimular os adversários a desenvolverem seu potencial e gerar um clima diferente do que eles estão acostumados. Para isso, o treinador teve a ajuda da intérprete do Panasonic, Megumi Kamizono, que trabalha ao lado do ponteiro Dante no clube, e do assistente-técnico Chico dos Santos, também da equipe local.

– Esse trabalho foi mais para a motivação dos jogadores japoneses. A oportunidade de treinar com os brasileiros, que têm mais experiência, e interagir com eles é muito interessante. O treinamento diário deles aqui no Japão é até um pouco estressante e estar em contato com outros é algo que motiva, que faz querer chegar onde o Bruno e o Raphael estão. O objetivo do trabalho era gerar um astral diferente e acho que foi atingido – disse o comandante.

Mas não foram apenas os japoneses que tiraram lições do treinamento inovador de Bernardinho. Titular do time brasileiro, Bruninho lembrou da tradição dos japoneses de imprimir velocidade ao jogo e disse considerar válida a troca de experiência com os orientais.

– Os japoneses têm uma cultura de jogar com velocidade desde muito antes do Brasil. Eles implementaram isso no vôlei mundial. De repente, eles não têm o potencial dos atacantes que nós temos, mas sempre jogaram com muita velocidade. É muito interessante poder trocar. Eles nos escutam muito e essa humildade é sempre importante. Sempre tiramos alguma coisa de qualquer trabalho e esse treino foi muito válido – garantiu o levantador.

O Brasil estreia na Copa dos Campeões na próxima terça-feira, às 5h10 (de Brasília), contra o Irã.