icons.title signature.placeholder Felippe Rocha
05/06/2014
16:52

Toda Copa do Mundo tem suas seleções favoritas e as que surpreendem. Para a competição que começa em poucos dias, uma das seleções mais cotadas - entre as menos tradicionais - é a da Bélgica. Não que o grupo H seja dos mais difíceis, com Rússia, Argélia e Coreia do Sul, mas a presença de jovens atletas atuando em grandes clubes gera a expectativa de uma boa participação. Se conquistar o título pode ser uma ambição ousada, repetir outras boas campanhas é o desafio.

No Mundial de 2010, o Uruguai de Forlán conseguiu avançar em primeiro lugar no equilibrado grupo A, que tinha ainda França, México e África do Sul. Em seguida, com boas atuações e a "defesa" de Suárez, foi avançando e chegou ao quarto lugar.

Quatro anos antes, Luiz Felipe Scolari comandava Portugal na campanha que também parou no quarto lugar, mas que eliminou, por exemplo, Inglaterra e Holanda. Mas a grande esperança belga tem de estar em 2002, quando os Diabos Vermelhos "caíram de pé" para a Seleção Brasileira. Mais que isso, aquele torneio teve grandes participações de Senegal, Coreia do Sul e Turquia.

A boa geração belga tem o goleiro Courtois, emprestado ao Atlético de Madri (ESP), que foi um dos goleiros mais comentados nesta temporada; Kompany pertence ao forte Manchester City (ING); ainda na Inglaterra, Vermaelem, há temporadas lidera a defesa do Arsenal. O meio-de-campo pode ter Fellaini e Januzaj (Manchester United), Witsel (Zenit-RUS) e o habilidoso Hazard, do Chelsea. O ataque tem como nome mais conhecido Lukaku, atualmente no Everton.

A Bélgica já foi elogiada até Por Flávio Murtosa, auxiliar técnico de Felipão. Porém, para a equipe que conseguiu ser cabeça de chave ir longe na Copa, precisará se impor, nas oitavas de final, contra rivais do forte grupo G, que tem Alemanha, Portugal, Gana e Estados Unidos.