icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
07/06/2014
18:46

Tem coisas que só acontece com... a Bélgica! No último dia 26, a seleção de Hazard & Cia. venceu Luxemburgo por 5 a 1, mas o amistoso foi anulado pelo fato de o técnico Marc Wilmots ter feito sete ao invés das seis substituições autorizadas pela Fifa. Eis que, neste sábado, o amistoso contra a Tunísia, o último antes da viagem ao Brasil para a Copa do Mundo, teve de ser paralisado aos 24 minutos do primeiro tempo por conta de uma chuva de... granizo! Após 40 minutos sem futebol no duelo, disputado no Estádio Rei Baudouin, em Bruxelas, os belgas sofreram, mas venceram a Tunísia, por 1 a 0, graças ao gol de Mertens.

Os minutos finais em Bruxelas, além do gol, tiveram um lance que passa a preocupar torcedores, comissão técnica e os jogadores da Bélgica. Após uma dividida, Lukaku, que havia entrado em campo aos 16 minutos da etapa final, teve de ser substituído por Witsel. Ele deixou o campo mancando e com dores no pé direito. Resta saber se o atacante do Chelsea, que atuou emprestado ao Everton na última temporada, preocupa para o Mundial.

Chuva de granizo foi pesada e deu trabalho para se proteger (Foto: Thierry Roge/AFP)

O JOGO

A Bélgica – integrante do Grupo H da Copa ao lado de Rússia, Argélia e Coreia do Sul, iniciou o duelo contra a Tunísia do técnico belga Georges Leekens, que comandou a seleção do seu país pela última vez entre 2010 e 2012, com Origi atuando ao lado de Mirallas no ataque. Lukaku, que havia marcado três vezes contra Luxemburgo – registro apagado com a anulação do resultado  – ficou como opção no banco, assim como Januzaj, que finalmente debutou de vez pela seleção: ele havia enfrentado Luxemburgo e também teve o que lamentar com a anulação do jogo.

Hazard, como esperado, foi o responsável por criar as principais jogadas da Bélgica. Mirallas, caindo mais pela direita, foi boa opção, enquanto Origi, o substituto de Lukaku, chamou a atenção: personalidade de sobra, velocidade com a bola nos pés. O goleiro Ben Mustapha teve trabalho com o camisa 17.

A Tunísia até tentou oferecer perigo no primeiro tempo, principalmente após o reinício do jogo, mas a força do time estava na marcação. Marcação que impediu os gols esperados pelos torcedores que compareceram ao grande número ao Estádio Rei Baudouin. Mirallas, aos 42 minutos, foi quem teve a última chance no primeiro tempo.

SEGUNDO TEMPO

Wilmots resolveu deixar a Bélgica ainda mais ofensiva para a etapa final, promovendo a entrada de Mertens. Com isso, Hazard passou a ter o atacante do Napoli, além de Mirallas e Origi como opções no ataque. Time com mais movimentação ofensiva, maior volume de jogo e... freado pela Tunísia.

Como o panorama não mudou, Wilmots promoveu os ingressos de Chadli e Lukaku, o responsável por ser a nova referência ofensiva da Bélgica em campo. Só que nem as alterações e a expulsão de Jemaa, aos 17 minutos, facilitaram a vida belga.

Já nos minutos finais, a Bélgica, contando com Januzaj em campo, tratou de pressionar a Tunísia. Vertonghen, duas vezes, e Vaden Borre tiveram as melhores chances. Quando o empate era quase uma certeza, Chadli achou Mertens cara a cara com Ben Mustapha e, finalmente, abriu o placar, aos 43 minutos. A Bélgica, apesar da vitória, decepcionou. Resta saber se, no Mundial, os bem cotados belgas se destacarão.

FICHA TÉCNICA
BÉLGICA 1 X 0 TUNÍSIA

Local: Estádio Rei Baudouin, em Bruxelas (BEL)
Data-hora: 07/06/2014 – 15h45 (de Brasília)
Árbitro: Viktor Kassai (Fifa-HUN)
Auxiliares: Vencel Tóth (Fifa-HUN) e Róbert Kispál (Fifa-HUN)
Cartões amarelos: Vertonghen e Mertens (BEL); Abdennour, Jemaa,  Korbi e Mathlouthi (TUN)
Cartões vermelhos: Jemaa, 17'/2ºT (TUN)

Gol: Mertens, 43'/2ºT(1-0)

BÉLGICA: Courtois; Alderweireld (Vanden Borre, Intervalo), Kompany, Van Buyten e Vertonghen; Dembele, Defour, Fellaini (Mertens, Intervalo) e Hazard (Januzaj, 29'/2ºT) Mirallas (Chadli, 16'/2ºT) e Origi (Lukaku, 16'/2ºT e depois Witsel, 47'/2ºT) – Técnico: Marc Wilmots.

TUNÍSIA: Ben Mustapha, Ben Youseff, Abdennour, Mohsni, Mathlouthi; Nater, Korbi (Ben Said, 10'/2ºT), Jemaa e Mikari (Hammam, 47'/2ºT); Youseff (Younes, 31'/2ºT) e Dhaouadi (Ben Djemia, 25'/2ºT) – Técnico: Georges Leekens.