icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
15/04/2014
19:07

A goleada sofrida no Gre-Nal ainda ecoa no Estádio Olímpico - prova é a reação da torcida, já que dois gremistas xingaram os jogadores na tarde desta terça-feira, durante o treinamento. O elenco gremista ainda absorve o baque sofrido com a perda do título para o rival. O centroavante Barcos, capitão da equipe, afirma que está envergonhado e não quer sair na rua, mas garante uma retomada.

- Eu respeito muito o torcedor. Mas depois da derrota pedem a saída do treinador e mais cinco jogadores. Três dias antes eram os melhores do mundo. Quando perde é assim. Mas é injusto. Temos um grupo de 30 jogadores, contando o corpo técnico são 60 pessoas. Quando ganha são todos, quando perde também. O torcedor é passional. Eu entro no Twitter. Domingo, pela manhã eu era Deus, à noite era um burro que não sabia jogar futebol. Perna de pau, que nem pirata. Agora é só eu fazer um gol, que volto a ser o melhor de novo

A invasão do treinamento desta terça foi pauta na entrevista. Barcos lamentou que os torcedores tenham protestado com falta de respeito e disse que o elenco sente tanto quanto os gremistas a derrota. E que evita sair na rua, pelo sentimento que guarda nele no momento.

- A gente respeita. Mas quando falta respeito é complicado. Ninguém pensa que temos família. É muito fácil xingar. Eu gostaria de explicar a cada um deles que também sofremos, queremos ganhar, mas nem sempre se ganha. Não é tão fácil assim. É muito fácil xingar. Eu fui na premiação do Gauchão, mas envergonhado. Tenho vergonha de sair de casa. Mas tinha que ser profissional e representar o clube. Estamos indignados, ninguém quer sair na rua. A única forma de reconquistar o torcedor é mostrar em campo que o Grêmio merece isso - completou Barcos.