icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
05/12/2013
12:05

Parece que o Bom Senso FC terá muito trabalho no Brasil. Na manhã desta quinta-feira, mais um clube admitiu que tem salários atrasados. Desta vez foi o Grêmio. O centroavante Hernán Barcos confirmou em entrevista coletiva que os jogadores e funcionários não recebem há mais de um mês, mas garantiu profissionalismo e que atuarão sem problemas na rodada derradeira do Campeonato Brasileiro, contra a Portuguesa, no domingo, no Canindé.

O elenco gremista se reuniu com a diretoria na manhã desta quinta para tratar da situação. Ficou acordado uma data para o pagamento do direito de imagem, atrasado mais de um mês. Esta fatia é, na maioria das vezes, a maior parte do salário dos atletas. Os jogadores esperam da direção um documento por escrito com a garantia.

- Casualmente hoje o grupo teve uma reunião com a diretoria sobre atrasos. Tem 30 ou 40 profissionais que trabalham no Grêmio com esta situação. O clube teve problemas financeiros e quando está passando por dificuldades, temos que abraçar o clube. Aqui temos profissionais e em nada vai mudar nosso comportamento por atraso nos salários ou direitos de imagem ou prêmios. Está atrasado sim, é algo real. Mas o grupo acredita no clube. Eles vão ainda nos dar por escrito uma garantia. O primeiro dinheiro que entrar será dos funcionários que estão com salário atrasados. E depois dos jogadores. Estamos dependendo disso e confiamos no clube - revelou Barcos.

O rival de domingo, a Portuguesa, enfrentou mesma situação nesta quarta-feira. Os jogadores não treinaram por conta dos vencimentos atrasados. O Bom Senso FC, inclusive, divulgou nota oficial de apoio aos atletas da Lusa. O Grêmio precisa de um empate com os paulistas para garantir a segunda colocação do Brasileirão. Barcos garante foco mesmo com o problema.

- O atraso tem mais de um mês. Mas não importa. É a mesma coisa e nós acreditamos no clube, que nos deu sua palavra e um papel que dará credibilidade. E o primeiro dinheiro que entrar será para isso. Todos os jogadores são parte disso. Até mesmo os funcionários, que estão na mesma situação. O grupo está querendo receber, como todos estão. Mas não mudará em nada nossa conduta em relação ao Grêmio - completou.