icons.title signature.placeholder Bruno Andrade e Carlos Alberto Vieira
22/06/2014
08:05

As inúmeras tatuagens, o cabelo moicano e a imensa barba podem fazer com que Raul Meireles seja confundido com um astro do rock, mas o português de 31 anos, embora goste de arriscar alguns passos de dança, exerce a função de volante no Fenerbahçe (TUR) e na seleção portuguesa. E é respeitado.

- Não esperamos que o Cristiano Ronaldo vença o jogo sozinho. Os outros jogadores também estão aqui - avisou, falando grosso, na última entrevista coletiva antes do jogo contra os Estados Unidos, que será às 19h deste domingo, em Manaus.

Uma frase óbvia, mas que serviu como recado aos jornalistas que têm bombardeado os jogadores com perguntas sobre o melhor do mundo. Postura de líder de grupo. Não apenas pela maneira de se comportar - apesar do visual extravagante, o meio-campista jura que é tímido -, mas pela experiência e pelo currículo recheado de títulos. Ganhou pelo Porto (com destaque para o tetra português), no Chelsea (com direito à Champions League) e no Fenerbahçe (faturou o torneio nacional). São 18 voltas olímpicas na carreira, mais do que qualquer outro jogador de sua seleção, incluindo Cristiano.

As polêmicas o acompanham. Em 2012, levou uma suspensão de 11 jogos por suposta cusparada em um árbitro na Turquia. Negou citando a família, a quem é bastante apegado.

O pai, que também se chama Raul Meireles, era massagista no Boavista, clube português onde o volante deu seus primeiros chutes aos seis anos de idade - uma década depois, festejaria a primeira das 74 convocações para a seleção principal do país, pela qual já anotou dez gols.

Raul Meireles, o antiboleiro, com o amigo e 'boleirão' Cristiano Ronaldo (Foto: Reprodução)

A esposa, Ivone, é sua sócia na Ermesinde, uma grife de roupas frequentada por vários jogadores. O gosto pela moda ajudou a unir o casal, assim como as tatuagens. Se Meireles confessou à imprensa portuguesa que já não sabe quantas tem no corpo (destaque para duas grandes caveiras no peito), a mulher também exibe diversos desenhos na barriga e nos braços - e usa cabelo no estilo moicano como o marido.

A filha, Lara, tem nove anos e é citada por ele como motivo para que as atitudes em campo sejam sempre exemplares. É um antiboleiro?

- Não me sinto assim. Amo o futebol, amo defender a seleção e tenho amigos jogadores. Se é por causa do visual? Sim, eu gosto de coisas diferentes, das minhas tatuagens - declarou, em conversa com o LANCE!Net.

Uma derrota neste domingo tira Portugal da Copa. Boleiro ou não, é vencer!