icons.title signature.placeholder Igor Ramos
24/06/2014
15:49

De reserva e jogador desprezado na Eurocopa, a peça das mais importantes no esquema tático da atual seleção. A mudança de status de Mathieu Valbuena se deu em menos de dois anos e tem tudo para se consolidar nessa Copa no Brasil. Além de marcar um dos gols na goleada contra a Suíça, ele já havia sido destaque na partida contra Honduras, assim como nos amistosos de preparação. Habilidoso, Valbuena é um dos jogadores de características cada vez mais raras, ou seja, veloz, de perna curta, o típico baixinho que incomoda os marcadores e que sabe como deixar os companheiros na cara do gol. Hoje ele reconhece a sua importância no time francês e reafirma sempre estar muito focado.

- Não me acho uma unanimidade. Na vida não se pode ser uma unanimidade e hoje eu sei onde quero ir, o que quero fazer, sei do meu gabarito - disse o jogador.

Mas nem sempre as coisas caminharam bem para Valbuena com a camisa azul. O jogador, que atualmente defende o Olympique de Marselle, chegou a fazer parte do grupo da Euro 2012, mas não foi aproveitado pelo técnico Laurent Blanc nas cinco partidas dos Bleus naquela competição.

- Passei por momentos dificeis, claro. Mas todos sempre estiveram do meu lado e estarão estarão para me lembrar que tenho que fazer o máximo. Eu estou tentando ser decisivo, eficiente - destaca o meia.

O entusiasmo se deu graças a troca de treinador. Após a troca de Laurente Blanc por Didier Deschamps, o baixinho de 1,67m, passou a ter mais oportunidade e ser protagonista.

- No campo mantenho humildade, e me cobro. Estou fazendo o máximo e não vou relaxar mais - disse o jogador, de 29 anos.

Com seu jeito meio contestador, Valbuena nunca foi dos mais amados pelos treinadores e a  sua relação com Deschamps nem sempre foi das melhores. Mesmo assim esteve em todos os jogos dos Bleus sob o comando do ex-capitão de 1998.

- Essa pergunta sempre volta.  Foi um inicio complicado, talvez não estava muito bem com ele (Deschamps), mas hoje conquistei essa confiança com trabalho, com títulos, para depois me encontrar no time da França foi um piscar de olho. As coisas vêm funcionando bem e espero que  continue - emendou.

Valbuena será titular na partida desta quarta-feira diante do Equador. Só não sabe ainda quem estará ao seu lado no meio campo, pois Deschamps viajou de Ribeirão Preto para o  Rio de Janeiro, levando dúvidas sobre a formação do time. No último treino no interior de São Paulo ele fechou o trabalho para os jornalistas e manteve o mistério sobre os 11 escolhidos. De certo apenas que não poderá contar com o volante Cabaye, suspenso pelo segundo cartão amarelo.