icons.title signature.placeholder Luis Fernando Coutinho
icons.title signature.placeholder Luis Fernando Coutinho
19/07/2013
17:11

Ryan Bader terá uma missão indigesta no dia 4 de setembro, quando pisar no octógono do UFC no Combate 3 para encarar o dono da casa Glover Teixeira na luta principal da noite. Porém, mesmo sabendo do retrospecto avassalador do brasileiro na organização, o americano enxerga o confronto como uma grande oportunidade de voltar ao topo da categoria dos meio-pesados. Em entrevista ao LANCE!Net, o lutador comentou a expectativa para enfrentar a pressão da torcida brasileira, analisou o estilo de Glover e avaliou que uma vitória sobre o brasileiro o colocará no topo do ranking dos meio-pesados no evento.

Escalado para encarar o número três do ranking do UFC na categoria dos meio-pesados, Ryan mostra que valoriza a classificação que gera polêmica desde que foi criada quanto a importância que a mesma impôe ao evento na hora de casar lutas. Ao ser perguntado sobre a recuperação da lesão que fez com que o confronto que aconteceria no UFC 160 fosse adiado, o americano disse que uma vitória sobre Glover no Brasil fará com que ele assuma a posição do brasileiro no ranking.

- Nos enfrentaríamos antes. Agora, será em uma luta principal, infelizmente terei de ir ao país do Glover, mas está tudo bem. Tive tempo para me recuperar e me curar para começar a treinar para essa luta.  Estou animado para fazer isso acontecer. É a minha primeira luta principal dentro do UFC. Glover é o numero três no ranking agora. Então, quero batê-lo para tomar a posição dele - declarou Bader, em entrevista realizada via Skype.

Ainda sobre o significado que uma vitória diante de Glover terá em sua trajetória no evento, Bader reforçou que o triunfo no Brasil o colocará mais perto de seu sonho e o colocará - na sua opinião - a duas lutas de disputar o cinturão da categoria.

Confronto será o combate principal do show que acontece dia 4 de setembro (FOTOS: Divulgação/UFC)

- Acho que uma vitória sobre Glover me colocará no topo da categoria. Ele é o número três no mundo agora e isso me motiva. Imagino que eu esteja a duas lutas do título se vencê-lo. Nunca se sabe o que pode acontecer, mas meu maior objetivo é ter uma chance pelo título. Glover está lá. Ele está perto do título. Meu dever é ir até o Brasil, batê-lo, e assim estarei na posição dele, chegando perto da minha chance - analisou o atleta, que é o número dez da categoria no ranking oficial do UFC.

Confira um bate-papo com Ryan Bader
Lutar no Brasil era uma vontade sua ou você não se importa com isso?
Eu não me importo onde luto, desde que seja no octógono. Mas, eu sempre quis lutar no Brasil. Quero lutar sempre bem. Mas, já lutei na Austrália, no Japão, e meu próximo objetivo era lutar no Brasil. Ganhei essa chance de lutar no Brasil, em um evento principal, contra um cara duro... Obviamente não terei muita gente torcendo por mim, mas será divertido (risos). A torcida no Brasil é muito apaixonada, eles amam o MMA e amam o UFC. Será uma noite divertida.

Ryan Bader vem de vitória no UFC (FOTO: UFC)

Você está preparado mentalmente para encarar a pressão da torcida?
Já lutei no Japão, onde enfrentei Rampage, que era o "dono da casa" e estava lutando em sua terra. Muitos me vaiaram quando subi no octógono, fizeram esse tipo de coisa, mas isso não me incomoda. Venci a luta. Obviamente o Brasil será dez vezes mais difícil. Eles são muito apaixonados. Vão torcer e gritar muito. Eu tento ver esse tipo de coisa como positiva. Tento me motivar com isso. Isso me faz querer mais a vitória.

Qual a sua análise do jogo do Glover?
Ele é muito duro. Ele vem para cima, vem forte, para te nocautear. Solta bombas e anda para frente o tempo todo. Ele tem uma boa defesa de quedas e um bom jiu-jitsu. Ele é bom, está no jogo há muito tempo, vem de uma sequência grande de vitórias, ainda não perdeu no UFC... Ele é um bom wrestler, mas abre um pouco algumas brechas quando solta seus socos. Mas, ele é um cara completo. É um grande teste para mim.

Como você imagina essa luta acontecendo?
Acho que será um pouco em pé e um pouco no chão. Glover tem boas defesas de quedas, mas não vou me preocupar somente em derrubá-lo. Vão haver algumas mudanças e muita movimentação na luta. Somos dois lutadores agressivos. Vai ser uma boa luta de cinco rounds. Acho que os fãs terão uma boa luta. Obviamente ele vai soltar as bombas dele, e eu não andarei para trás. Terei de usar os movimentos mais espertos para vencer. Eu vejo a luta acontecendo um pouco em cada lugar.

Mande uma mensagem para os torcedores brasileiros...
Eu respeito todos os torcedores brasileiros, sei que todos não estarão torcendo para mim, mas eu espero dar a todos uma boa luta. É isso o que pretendo levar ao Brasil. Estou ansioso para encontrar a torcida e espero vê-los em breve.

Ryan Bader terá uma missão indigesta no dia 4 de setembro, quando pisar no octógono do UFC no Combate 3 para encarar o dono da casa Glover Teixeira na luta principal da noite. Porém, mesmo sabendo do retrospecto avassalador do brasileiro na organização, o americano enxerga o confronto como uma grande oportunidade de voltar ao topo da categoria dos meio-pesados. Em entrevista ao LANCE!Net, o lutador comentou a expectativa para enfrentar a pressão da torcida brasileira, analisou o estilo de Glover e avaliou que uma vitória sobre o brasileiro o colocará no topo do ranking dos meio-pesados no evento.

Escalado para encarar o número três do ranking do UFC na categoria dos meio-pesados, Ryan mostra que valoriza a classificação que gera polêmica desde que foi criada quanto a importância que a mesma impôe ao evento na hora de casar lutas. Ao ser perguntado sobre a recuperação da lesão que fez com que o confronto que aconteceria no UFC 160 fosse adiado, o americano disse que uma vitória sobre Glover no Brasil fará com que ele assuma a posição do brasileiro no ranking.

- Nos enfrentaríamos antes. Agora, será em uma luta principal, infelizmente terei de ir ao país do Glover, mas está tudo bem. Tive tempo para me recuperar e me curar para começar a treinar para essa luta.  Estou animado para fazer isso acontecer. É a minha primeira luta principal dentro do UFC. Glover é o numero três no ranking agora. Então, quero batê-lo para tomar a posição dele - declarou Bader, em entrevista realizada via Skype.

Ainda sobre o significado que uma vitória diante de Glover terá em sua trajetória no evento, Bader reforçou que o triunfo no Brasil o colocará mais perto de seu sonho e o colocará - na sua opinião - a duas lutas de disputar o cinturão da categoria.

Confronto será o combate principal do show que acontece dia 4 de setembro (FOTOS: Divulgação/UFC)

- Acho que uma vitória sobre Glover me colocará no topo da categoria. Ele é o número três no mundo agora e isso me motiva. Imagino que eu esteja a duas lutas do título se vencê-lo. Nunca se sabe o que pode acontecer, mas meu maior objetivo é ter uma chance pelo título. Glover está lá. Ele está perto do título. Meu dever é ir até o Brasil, batê-lo, e assim estarei na posição dele, chegando perto da minha chance - analisou o atleta, que é o número dez da categoria no ranking oficial do UFC.

Confira um bate-papo com Ryan Bader
Lutar no Brasil era uma vontade sua ou você não se importa com isso?
Eu não me importo onde luto, desde que seja no octógono. Mas, eu sempre quis lutar no Brasil. Quero lutar sempre bem. Mas, já lutei na Austrália, no Japão, e meu próximo objetivo era lutar no Brasil. Ganhei essa chance de lutar no Brasil, em um evento principal, contra um cara duro... Obviamente não terei muita gente torcendo por mim, mas será divertido (risos). A torcida no Brasil é muito apaixonada, eles amam o MMA e amam o UFC. Será uma noite divertida.

Ryan Bader vem de vitória no UFC (FOTO: UFC)

Você está preparado mentalmente para encarar a pressão da torcida?
Já lutei no Japão, onde enfrentei Rampage, que era o "dono da casa" e estava lutando em sua terra. Muitos me vaiaram quando subi no octógono, fizeram esse tipo de coisa, mas isso não me incomoda. Venci a luta. Obviamente o Brasil será dez vezes mais difícil. Eles são muito apaixonados. Vão torcer e gritar muito. Eu tento ver esse tipo de coisa como positiva. Tento me motivar com isso. Isso me faz querer mais a vitória.

Qual a sua análise do jogo do Glover?
Ele é muito duro. Ele vem para cima, vem forte, para te nocautear. Solta bombas e anda para frente o tempo todo. Ele tem uma boa defesa de quedas e um bom jiu-jitsu. Ele é bom, está no jogo há muito tempo, vem de uma sequência grande de vitórias, ainda não perdeu no UFC... Ele é um bom wrestler, mas abre um pouco algumas brechas quando solta seus socos. Mas, ele é um cara completo. É um grande teste para mim.

Como você imagina essa luta acontecendo?
Acho que será um pouco em pé e um pouco no chão. Glover tem boas defesas de quedas, mas não vou me preocupar somente em derrubá-lo. Vão haver algumas mudanças e muita movimentação na luta. Somos dois lutadores agressivos. Vai ser uma boa luta de cinco rounds. Acho que os fãs terão uma boa luta. Obviamente ele vai soltar as bombas dele, e eu não andarei para trás. Terei de usar os movimentos mais espertos para vencer. Eu vejo a luta acontecendo um pouco em cada lugar.

Mande uma mensagem para os torcedores brasileiros...
Eu respeito todos os torcedores brasileiros, sei que todos não estarão torcendo para mim, mas eu espero dar a todos uma boa luta. É isso o que pretendo levar ao Brasil. Estou ansioso para encontrar a torcida e espero vê-los em breve.