icons.title signature.placeholder Daniela Caravaggi
10/04/2014
22:24

A auxiliar de arbitragem Maira Americano Labes se pronunciou sobre o episódio do último sábado, no qual Celso Teixeira, técnico do Juventus-SC, a teria chamado de "sua gostosa". Na visão da bandeirinha, o treinador não teve a intenção de ressaltar suas características físicas. Ela acredita que no calor do jogo, as palavras foram utilizadas de maneira errada. 

- Não foi um assédio dentro de campo. Foi apenas um deabafo, xingamento, que talvez colocado de maneira errada. De maneira nenhuma ele quis falar das características da mulher, falou porque simplesmente eu era uma pessoa da arbitragem. Reclamou pela situação do time. Era um jogo de decisão, jogo quente, que precisava da vitória, então isso alterou. Ele é um bom profssional, se está ali é porque deve ser, mas de forma alguma eu levei para esse lado que estão falando - disse a auxiliar, em entrevista pelo telefone ao LANCE!Net.

- Isso que aconteceu passou batido. Foi o quarto árbitro que relatou. Eu até ouvi, mas estava focada no jogo e não parei para refletir. Passou o jogo e só depois fomos conversar para ver o que fariamos. - completou.

A profissional disse que já está acostumada a ouvir coisas desse tipo por parte da torcida, mas releva. Ela destaca que os auxiliares devem ser reconhecidos pelo trabalho que desempenham, seja homem ou mulher. Além disso, ressaltou que as mulheres vêm ganhando cada vez mais espaço na profissão.

- Já são oito anos que estou na arbitragem. Entra por um ouvido e sai pelo outro. Acho que a gente já evoluiu muito. Éramos em poucas. Agora estamos em mais e estamos fazendo boas atuações. Trabalhando com a mesma técnica, com o mesmo desempenho que os homens. Então, acho que o preconceito diminuiu muito. Os jogadores, dirigentes têm muito respeito. Já quebrou esse tabu - ressaltou.