icons.title signature.placeholder Luiz Gustavo Moreira
05/02/2015
19:06

O gol mal anulado do jovem Fernandes aos 47 minutos do segundo tempo entre Botafogo e Volta Redonda, custou caro para o auxiliar Wendel de Paiva Gouvêa. Nesta quinta-feira, ele foi afastado por tempo indeterminado por Jorge Rabello, presidente da Comissão de Arbitragem da Federação de Futebol do Rio de Janeiro, e passará pela chamada reciclagem.

O lance foi determinante para partida e influenciou diretamente no resultado. No momento da anulação, o Glorioso vencia por 2 a 1 e aumentaria o placar, tirando qualquer chance de reação do Voltaço. E no lance seguinte, a equipe do Sul Fluminense empatou com Magnum, de cabeça, empatando o confronto.

- O Wendel foi afastado, pois foi um erro grosseiro. Vamos preservar a imagem dele e passará por uma reciclagem. É um processo natural. A dificuldade do lance foi zero e, infelizmente, influenciou no resultado da partida. Tem que manter o foco. Um erro grosseiro não dá para sustentar. Ele vai ver vídeos, seguir participando das reuniões... Durante o jogo, ele fez quatro intervenções. Acertou três e errou apenas esse. Mas não podemos passar a mão na cabeça - disse Jorge Rabello.

Apesar de também ter errado no primeiro tempo ao anular um gol legal de Gilberto, Luiz Claudio Regazone - o outro auxiliar - não foi suspenso. A comissão entendeu que era um lance difícil e que só o erro só foi confirmado após o replay na televisão. Além dele, o juiz Rodrigo Nunes de Sá também foi poupado:

- Vimos os lances do Regazone depois, mas só na imagem vimos que ele errou. Era uma dificuldade maior. A regra do impedimento é mais complicada, com lances muito difíceis. Já o Rodrigo não teve erros. Você viu algum erro dele? - questionou, com bom humor.

O afastamento entrará na pauta da reunião da Comissão de Arbitragem, sexta-feira, na sede da Federação, com quem trabalhou na última rodada.