icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
07/03/2014
15:08

Em decisão publicada no início da tarde desta sexta-feira, a Federação Paulista de Futebol (FPF) interditou o Estádio Romildão, palco da goleada por 5 a 2 do Santos sobre o Mogi Mirim e também de ofensas racistas ao volante santista Arouca. O ocorrido desta quinta-feira não foi registrado pelo árbitro Vinícius Gonçalves Dias na súmula da partida, mas o Santos encaminhou um pedido de abertura de inquérito e o próprio TJD-SP já tomou medidas emergenciais.

"O Tribunal de Justiça Desportiva do Futebol do Estado de São Paulo interditou o estádio Romildo Vitor Gomes Ferreira, do Mogi Mirim EC. A ação se tornou necessária considerando que as ações da torcida do Mogi Mirim maculam de forma indelével a disciplina desportiva e também os princípios básicos de civilidade e humanismo. A interdição do estádio será mantida até a decisão final de processo disciplinar instalado para averiguar os fatos ocorridos", afirmou a FPF em nota oficial publicada no site da entidade.

Rivaldo, presidente de honra do Mogi Mirim, já afirmou por meio de redes sociais que não concorda com possíveis punições esportivas ao clube, como perda de pontos e multa (as penas estão previstas no artigo 243 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva). Odílio Rodrigues, presidente do Santos, no entanto, publicou nota no site do Santos afirmando que buscará as punições aos envolvidos.

Também em nota oficial, a diretoria do Mogi Mirim prometeu apurar as denúncias de racismo contra Arouca, ocorridas logo após o apito final do árbitro Vinicius Gonçalves Dias, que partiram de um grupo de cerca de dez torcedores.

Após ato de racismo, Arouca desabafa sobre episódio