icons.title signature.placeholder Frederico Ribeiro
icons.title signature.placeholder Frederico Ribeiro
16/07/2013
15:26

Se a torcida do Olimpia se considera "la mitad más uno" (a metade mais um) de Assunção, então pode-se dizer que a capital do Paraguai, em sua maioria, está confiante em uma vitória do time Decano na primeira final da Libertadores. Porém, o sentimento que se sobressai mesmo é o de humildade em relação ao placar do jogo contra o Galo, devido ao respeito do time entre os "Franjas Negras".

O ambulante Anbróz Garcia, que trabalha vendendo bandeiras e acessórios do Olimpia pelas ruas, disse que o duelo no Defensores del Chaco será aberto, já que as equipes possuem ataques muito ferozes.

LEIA TAMBÉM
- Cuca lembra evolução do Atlético-MG: 'Peguei na zona de rebaixamento'
- Gilberto Silva revela: 'Libertadores será tão especial quanto a Copa-2002'
- Alecsandro: 'Estamos preparados para essa pressão no Paraguai'

- Acho que o jogo, se fosse arriscar um palpite, seria 1 a 0 para o Olimpia. Está de bom tamanho, porque temos um bom time, mas o (Atlético) Mineiro possui um ataque muito perigoso, com Ronaldinho e tudo mais. Eu me contentaria com uma vitória magra. Tenho confiança no time, pois temos um grande atacante, que é o Salgueiro. Mas não é muita (a confiança) - afirmou o vendedor, que comercializa a bandeira do Rey de Copas por R$ 40.

Já o taxista Isabelino Valdéz acredita que, para seu clube somar a quarta taça de Libertadores, um placar necessário e seguro no Defensores del Chaco seria de 4 a 0.

- Acho que teríamos que ganhar de 4 a 0 na quarta, pois o Atlético sabe jogar muito bem em sua casa. Eles têm uma equipe muito forte, mas confio no meu time, pois é treinado por um homem que tem o sangue olimpero nas veias - disse o motorista, referindo-se ao técnico Ever Almeida, que é o recordista de participações na Libertadores e bicampeão do torneio pelo Decano.

Se a torcida do Olimpia se considera "la mitad más uno" (a metade mais um) de Assunção, então pode-se dizer que a capital do Paraguai, em sua maioria, está confiante em uma vitória do time Decano na primeira final da Libertadores. Porém, o sentimento que se sobressai mesmo é o de humildade em relação ao placar do jogo contra o Galo, devido ao respeito do time entre os "Franjas Negras".

O ambulante Anbróz Garcia, que trabalha vendendo bandeiras e acessórios do Olimpia pelas ruas, disse que o duelo no Defensores del Chaco será aberto, já que as equipes possuem ataques muito ferozes.

LEIA TAMBÉM
- Cuca lembra evolução do Atlético-MG: 'Peguei na zona de rebaixamento'
- Gilberto Silva revela: 'Libertadores será tão especial quanto a Copa-2002'
- Alecsandro: 'Estamos preparados para essa pressão no Paraguai'

- Acho que o jogo, se fosse arriscar um palpite, seria 1 a 0 para o Olimpia. Está de bom tamanho, porque temos um bom time, mas o (Atlético) Mineiro possui um ataque muito perigoso, com Ronaldinho e tudo mais. Eu me contentaria com uma vitória magra. Tenho confiança no time, pois temos um grande atacante, que é o Salgueiro. Mas não é muita (a confiança) - afirmou o vendedor, que comercializa a bandeira do Rey de Copas por R$ 40.

Já o taxista Isabelino Valdéz acredita que, para seu clube somar a quarta taça de Libertadores, um placar necessário e seguro no Defensores del Chaco seria de 4 a 0.

- Acho que teríamos que ganhar de 4 a 0 na quarta, pois o Atlético sabe jogar muito bem em sua casa. Eles têm uma equipe muito forte, mas confio no meu time, pois é treinado por um homem que tem o sangue olimpero nas veias - disse o motorista, referindo-se ao técnico Ever Almeida, que é o recordista de participações na Libertadores e bicampeão do torneio pelo Decano.