icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
24/07/2013
21:41

Sem conseguir pagar o elenco há dois meses, o presidente do Botafogo, Mauricio Assumpção, falou sobre a delicada situação financeira do clube antes da partida desta quarta-feira, contra o Figueirense, em Florianópolis, pela terceira fase da Copa do Brasil.

- A previsão (de pagamento) é dada para os jogadores. Isso é uma questão interna. Nem preciso falar da qualidade do grupo. O Botafogo é líder do Campeonato Brasileiro. Me preocupo, é claro, em ir atrás desse dinheiro para pagar os jogadores. Pagamos na terça-feira os salários dos funcionários, que estavam atrasados, uma situação muito chata - disse o mandatário, que contou por que a situação se agravou nos últimos meses:

- A situação ficou muito complicada nos últimos meses por conta das penhoras, mas isso não interferiu no campo.

E MAIS:
>Vice-presidente de futebol prevê ano complicado financeiramente
>Assumpção admite débito com jogadores, mas elogia elenco

Assumpção também lamentou o baixo público que compareceu em Santa Catarina para acompanhar o duelo. O dirigente, que vem sofrendo com o mesmo mal em jogos da equipe carioca, disse que essa é uma realidade do futebol brasileiro.

- Não é fácil fazer jogo de futebol. Se a diretoria do Figueirense dependesse dessa renda para pagar os salários, os jogadores morreriam de fome. Para a torcida do Botafogo, pelo menos, é uma chance de ouro, até porque o pessoal que mora por aqui fica longe da rotina do clube.

Sem conseguir pagar o elenco há dois meses, o presidente do Botafogo, Mauricio Assumpção, falou sobre a delicada situação financeira do clube antes da partida desta quarta-feira, contra o Figueirense, em Florianópolis, pela terceira fase da Copa do Brasil.

- A previsão (de pagamento) é dada para os jogadores. Isso é uma questão interna. Nem preciso falar da qualidade do grupo. O Botafogo é líder do Campeonato Brasileiro. Me preocupo, é claro, em ir atrás desse dinheiro para pagar os jogadores. Pagamos na terça-feira os salários dos funcionários, que estavam atrasados, uma situação muito chata - disse o mandatário, que contou por que a situação se agravou nos últimos meses:

- A situação ficou muito complicada nos últimos meses por conta das penhoras, mas isso não interferiu no campo.

E MAIS:
>Vice-presidente de futebol prevê ano complicado financeiramente
>Assumpção admite débito com jogadores, mas elogia elenco

Assumpção também lamentou o baixo público que compareceu em Santa Catarina para acompanhar o duelo. O dirigente, que vem sofrendo com o mesmo mal em jogos da equipe carioca, disse que essa é uma realidade do futebol brasileiro.

- Não é fácil fazer jogo de futebol. Se a diretoria do Figueirense dependesse dessa renda para pagar os salários, os jogadores morreriam de fome. Para a torcida do Botafogo, pelo menos, é uma chance de ouro, até porque o pessoal que mora por aqui fica longe da rotina do clube.