icons.title signature.placeholder Gabriel Carneiro
20/04/2014
11:01

Contratado por indicação do técnico Vanderlei Luxemburgo para reforçar a base do time de 2002, que já começava a se desmontar, o atacante Deivid foi um dos protagonistas do Santos no Campeonato Brasileiro de 2004 com 21 gols marcados. O título conquistado mesmo diante de dificuldades como o sequestro da mãe de Robinho e constantes convocações de jogadores para a Seleção Brasileira, foi o último do Santos no torneio que, neste domingo, receberá mais uma estreia Alvinegro.

Antes de o Peixe receber o Sport às 18h30, na Vila Belmiro, o atacante recém-aposentado conversou com o LANCE!Net sobre o último Brasileirão conquistado pelo clube, e também sobre o time atual, que fez boa campanha na primeira fase do Paulistão, mas bobeou na reta final.

- Desse time de hoje, acabei vendo só as finais do Paulistão, mas sei que foi totalmente diferente do que vinham fazendo. O Santos tem que ter atitude de time grande, como foi em 2004, não adianta só jogar por jogar. O Oswaldo de Oliveira é um grande treinador, já foi campeão muitas vezes, e se os jogadores tiverem esse espírito, o time será favorito - afirmou Deivid, que anunciou sua aposentadoria no início de abril, aos 34 anos.

O ex-atacante está estudando para ser treinador, e lembra com carinho do Brasileirão de 2004, seu último título nacional no futebol brasileiro. Citando a experiência como fator preponderante para a equipe de Luxemburgo vencer o Brasileirão, Deivid acredita que o diferencial das equipes vencedoras é "pensar grande".

- O título do Brasileirão de 2004 foi o mais difícil que eu já conquistei porque tivemos muitos problemas. O legal é que era um grupo experiente. Tinha uma molecada que entrava, mas a gente ensinava. Então, tinha um suporte legal. O Vanderlei dividia a responsabilidade e falava que o Santos tinha que ter o melhor ataque e a melhor defesa do Campeonato Brasileiro, tinha que ser o melhor time. O Santos pensou grande e conseguiu conquistar o título em 2004.