icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
07/03/2014
08:59

O volante Arouca foi alvo de ofensas racistas na saída de campo para o vestiário na goleada santista por 5 a 2 sobre o Mogi Mirim, na noite de quinta-feira, no Romildão, em jogo válido pela 12ª rodada do Campeonato Paulista. Após os insultos de um torcedor rival, o jogador se pronunciou sobre o caso. O fato, entretanto, acabou com qualquer tipo de alegria do jogador por conta da goleada santista no Estadual.

De acordo com o volante, atitudes como estas são totalmente inaceitáveis hoje em dia e ressaltou a importâncias de jogadores negros na história do futebol brasileiro. Decepcionado com o fato, Arouca ainda relembra o ocorrido com Tinga, na Libertadores e espera por algum tipo de punição aos que ainda cometem crimes como este.

- Na saída do jogo desta quinta-feira, contra o Mogi Mirim, fui alvo de insultos racistas de um torcedor do time adversário. É lamentável e inaceitável que ainda haja espaço para esse tipo de coisa hoje em dia. Isso só mostra que o ser humano ainda tem muito a evoluir e a crescer, que não estamos nem perto de um mundo que viva a harmonia entre as pessoas e todas as suas diferenças.

Tenho muito orgulho das minhas origens africanas, que foi o que o sujeito tentou usar para me ofender, dizendo que eu deveria procurar alguma seleção de lá para jogar. Dando a entender que um negro igual a mim não serve para defender a seleção brasileira. Como se algumas das páginas mais bonitas da história da nossa seleção não tivessem sido escritas por jogadores como Leônidas, Romário e pelo Rei Pelé, também negros. Não ouvi os gritos de 'macaco' que alguns repórteres disseram ouvir, mas, caso tenha realmente acontecido, é ainda mais triste.

Eu sei muito bem de onde venho e de toda a minha luta para chegar onde cheguei. Por isso, sentir na pele o que aconteceu comigo hoje - logo depois do que fizeram com o Tinga outro dia e também do caso do juiz no Rio Grande do Sul - me deixa muito decepcionado. Acabou com a alegria pela boa atuação do nosso time, pelo belo gol que fiz, ou seja, pelo que deveria ser a essência do esporte.

O futebol é um espelho da nossa realidade, e isso não se resume apenas a xingamentos racistas. Continuam matando e morrendo por torcerem por um time diferente do outro. Espero, sinceramente, que casos como esse sejam severamente punidos, pois, enquanto isso não acontecer, nada vai mudar. A impunidade e a conivência das autoridades com as pessoas que fazem esse tipo de coisa são tão graves quanto os próprios atos em si. Somente discursos e promessas não resolvem a falta de educação e de humanidade de alguns - explicou o jogador.

Na coletiva de imprensa após o fim da partida desta quinta-feira, o técnico Oswaldo de Oliveira se calou sobre o tema, em tom de protesto.