icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
03/07/2014
08:11

Titular do Olimpia (PAR) vice-campeão da Libertadores do ano passado, o volante Aranda, ao lado do goleiro Martin Silva, chegou ao Vasco no início do ano com destaque e como promessa de ser um dos cães de guarda de uma equipe que teria uma temporada complicada. Logo que foi regularizado, ganhou a titularidade, mas, sem continuidade, a expectativa criada pela torcida não se concretizou neste primeiro semestre e o jogador paraguaio divide-se entre a reserva e algumas oportunidades.

Nesta primeira chance de atuar no futebol brasileiro, Aranda ainda busca adaptação e, para isso, tem recebido a ajuda do técnico Adilson Batista. O próprio jogador ressalta que teve um bom início na equipe de São Januário, mas não contesta as opções do comandante.

– Como Adilson mesmo diz, tenho de entender mais a atuação do futebol brasileiro, mas estou em um bom caminho. Me senti muito bem no início, joguei oito partidas seguidas. O treinador tem sua forma de trabalhar e respeito as decisões que ele toma – disse.


A perda de espaço ainda durante o Campeonato Carioca teve como um dos fatores a forte briga no setor. Para compensar esta batalha, Aranda afirma que está aproveitando este período de treinamentos ao máximo, em uma tentativa de recuperar o prestígio com o qual desembarcou em terras brasileiras:

– Neste tempo, estou procurando jogar do jeito que o treinador quer e dando o máximo de mim para jogar. Tem muita gente boa no meio também, como o Pedro Ken, Guiñazú, Fabrício, mas um vai ter que sobrar.

Com a consciência de que apenas 11 podem iniciar a partida e que estes primeiros meses no Brasil reservaram alguns obstáculos, Aranda luta para mostrar a Adilson Batista e à torcida que a esperança depositada nele não foi em vão.