icons.title signature.placeholder Felipe Bolguese e Renato Rodrigues
19/04/2014
08:03

O Corinthians viveu um dilema nos últimos dias. Ciente da urgência em reforçar o ataque, a diretoria tinha duas opções: fazer mais apostas com jogadores que se destacaram nos estaduais ou esperar até a abertura da janela de transferências internacionais, em julho, e trazer nomes de peso para o elenco. E a escolha já foi feita.

Com grande dificuldade de encontrar nomes de maior impacto no cenário brasileiro, o Timão resolveu ficar com a segunda opção. Depois de tentar André (Atlético-MG) e Rafael Sobis (Fluminense), os dirigentes chegaram à conclusão de que não existem tantos atletas que se encaixam no perfil pedido pela comissão técnica. Uma lista até chegou a ser levantada, mas ninguém foi unanimidade.

O receio de “gastar à toa”, por exemplo, é um dos argumentos na conclusão de que não adianta fazer negócios com pressa neste momento. Com a janela aberta, além de tempo para filtrar planos A, B, C, D e até E, a cúpula teria um leque muito maior de opções para reforçar o setor, que conta com Romarinho, Luciano, Paolo Guerrero e os jovens Malcom e Paulo Victor.

A ideia é de trazer até três jogadores. Além de um zagueiro, de preferência canhoto, dois homens de frente estão nos planos alvinegros. Além da possibilidade de investir em jogadores que se destacaram na Libertadores-2014 após a Copa do Mundo, o Timão poderia ir em busca de brasileiros espalhados pelo mundo e tentar repatriá-los.

Em entrevista coletiva ontem pela manhã, Mano Menezes deixou claro que não é mais o momento de apostar em jogadores mais desconhecidos, como os casos de Petros, que veio do Penapolense, e Ferrugem, que estava na Ponte Preta.

– A gente procura equilibrar. Embora alguns jogadores tenham feito um bom Paulista, e temos vários nessa relação (de observados para contratar), não podemos exagerar. Por isso que nos voltamos para outro perfil, exatamente nessas duas, três vagas que vejo para o elenco estar completo para disputar o Brasileiro – disse o técnico.

Entre a diretoria existe o receio de ter poucos nomes de ataque para o início deste Brasileiro. No entanto, como tratam-se de apenas nove rodadas até a pausa para a Copa do Mundo, vão se arriscar com o que tem no elenco. O jeito é torcer contra lesões mais sérias...

 

Zagueiros sob observação

As necessidades de reforços do Corinthians não ficam só no ataque. Apesar da menor urgência, a diretoria de futebol procura também um zagueiro experiente e pronto para jogar. A ideia é que o jogador também seja canhoto.

Como Mano Menezes só tem nomes que são destros e atuam pelo lado direito da defesa, um nome que use bem a perna esquerda daria mais qualificação ao elenco. Atualmente é Gil, que apesar de destro, faz a função por este lado.

Os reservas imediatos de Gil e Cleber são Felipe, Wanderson e Pedro Henrique. O primeiro, quando entrou, não convenceu. Enquanto o segundo nem sequer estreou até agora, Pedro Henrique é muito jovem para assumir tamanha responsabilidade. A busca continua.