icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
07/02/2015
13:25

Na noite do último dia 31 de janeiro, sete brasileiros brilharam no octógono do UFC 183, realizado em Las Vegas (EUA). Porém, apenas um deles comemorou a quinta vitória seguida no octógono. Thales Leites finalizou Tim Boetsch no segundo round do combate, com um katagatame, seguindo uma previsão de Dedé Pederneiras, seu treinador e líder da Nova União. A nova vitória faz o niteroiense, atual 10º colocado no ranking peso-médio (até 84,3kg) do evento, vislumbrar seu próximo oponente. Para ele, Tim Kennedy, oitavo na lista dos melhores da categoria, é o adversário ideal.

O bom momento de Thales Leites ficou completo no último final de semana. Após duas vitórias por decisão dos juízes e duas por nocaute desde sua volta ao UFC, em agosto de 2013, o faixa-preta de jiu-jitsu da Nova União se reencontrou com a vitória por finalização, a 14ª na carreira. Seu último triunfo conquistado na arte suave havia sido exatamente o último antes do regresso ao Ultimate, em março de 2012, contra Matt Horwich, também com um katagatame.

- Eu sempre busquei a finalização, mas sei que a luta começa em pé e tem que se desenrolar dessa forma. Está cada vez mais difícil derrubar o adversário, e é ainda difícil manter alguém no chão. A sensação de finalizar é maravilhosa, sou do jiu-jitsu e tenho o prazer de botar o quimono e treinar com meus amigos. Isso faz parte da minha profissão, mas também é um dos meus hobbies. O Dedé, antes da luta, falou sobre o katagatame e que eu venceria a luta dessa forma. Acabou acontecendo. Depois, disse que ele teve uma premonição, para me avisar de novo da próxima vez - relembrou o lutador, aos risos, via assessoria de imprensa.

Thales Leites não sabe o que é derrota desde outubro de 2010. Nesse período, foram oito lutas e um aproveitamento de 100%. A confiança que o bom momento traz faz o brasileiro projetar seu futuro. Assim, em sua análise, o norte-americano Tim Kennedy, ex-campeão do Strikeforce, aparece como a melhor opção.

- Eu não costumo escolhe adversários, deixo isso nas mãos do UFC, mas acredito que o Tim Kennedy seja a melhor opção para minha próxima luta. Eu quero sempre me manter entre os melhores, sempre respeitando meus oponentes. Ele é duro, está bem no ranking e seria uma luta interessante - analisou.

Thales Leites fez luta eletrizante contra Tim Boescht (FOTO: Steve Marcus/AFP)

Bônus para investir na filha e leilão beneficente de bermuda
A vitória sobre Boetsch rendeu a Thales dois bônus do UFC, um de luta da noite e outro de performance da noite. A premiação extra empolga o atleta da Nova União, mas não tira seu foco de investir em seus treinamentos e em sua filha Valentina, de 3 anos. Além disso, Thales participa de uma leilão beneficente para ajudar a pequena Raíssa, que sofre com uma doença rara chamada Epidermólise Bolhosa.

O lutador está leiloando a bermuda usada na vitória no UFC 183, e o valor integral do maior lance será destinado ao tratamento da menina. Os lances podem ser feitos através da página oficial do atleta no Facebook.

- Estou satisfeito com as coisas que eu tenho, vou usar esse dinheiro para investir no meu maior bem, que é minha filha, e em mim como profissional. O leilão vai ajudar muito a Raíssa, que tem uma doença bem complicada. Foi uma amiga que me pediu essa ajuda, e não pensei duas vezes em contribuir de alguma forma. O lance vencedor vai ajudar muito no tratamento dela - garantiu.