icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
14/07/2013
08:00

A vitória foi construída com uma boa atuação no primeiro tempo, com pés decisivos de Diego Forlán. Mas a segunda etapa do 3 a 2 sobre o Fluminense chamou a atenção: pressão do Tricolor e poucas estocadas do Internacional. O técnico colorado considera normal a postura de seus comandados nos 45 minutos finais e exaltou muito a aplicação tática dos jogadores para marcar o atual campeão brasileiro.

- Era difícil manter o mesmo ritmo do primeiro tempo, estávamos jogando com o último campeão brasileiro, time de qualidade e bem armado. Surpreendemos no primeiro tempo e fizemos os gols. Tivemos que nos defender no segundo tempo, trabalhamos intensamente na marcação. E para ganhar fora de casa tem que ser assim - comentou o técnico Dunga.

De maneira corriqueira, Dunga lamentou o fato de o Inter ter perdido dentro de casa para o Bahia, antes do recesso do Brasileirão. Esta vitória sobre o Fluminense, considerada pelo comandante um adversário direto na busca pelo título brasileiro, é tida como a recuperação dos pontos perdidos no jogo contra o Bahia, jogo em que o Colorado saiu derrotado.

- Normal que o Fluminense iria nos pressionar. Fizeram um gol no início. Tentamos nos defender, fizemos algumas modificações, colocar jogadores onde eles mais atacaram. Tínhamos que matar o jogo, conseguimos uma escapada, mas não resultou no gol. Jogadores foram aplicados e tivemos muita garra. Tínhamos que recuperar o jogo com o Bahia, e tivemos felicidade contra uma grande equipe e concorrente ao título - destacou o treinador colorado.

Um dos personagens da partida, pelo tempo em que ficou caído no chão - gerou reclamações do técnico Abel Braga -, Muriel também tratou de parabenizar os colegas.

- Claro que um time de qualidade como o Fluminense sai para o jogo, tentamos segurar da forma que deu, mas sofremos o segundo gol. Está todo mundo de parabéns. O time vem jogando muito. O empenho, todos que entrando, estão ajudando. Acho que é importante. Exalto a força do grupo - discursou o camisa 1 alvirrubro.

A vitória foi construída com uma boa atuação no primeiro tempo, com pés decisivos de Diego Forlán. Mas a segunda etapa do 3 a 2 sobre o Fluminense chamou a atenção: pressão do Tricolor e poucas estocadas do Internacional. O técnico colorado considera normal a postura de seus comandados nos 45 minutos finais e exaltou muito a aplicação tática dos jogadores para marcar o atual campeão brasileiro.

- Era difícil manter o mesmo ritmo do primeiro tempo, estávamos jogando com o último campeão brasileiro, time de qualidade e bem armado. Surpreendemos no primeiro tempo e fizemos os gols. Tivemos que nos defender no segundo tempo, trabalhamos intensamente na marcação. E para ganhar fora de casa tem que ser assim - comentou o técnico Dunga.

De maneira corriqueira, Dunga lamentou o fato de o Inter ter perdido dentro de casa para o Bahia, antes do recesso do Brasileirão. Esta vitória sobre o Fluminense, considerada pelo comandante um adversário direto na busca pelo título brasileiro, é tida como a recuperação dos pontos perdidos no jogo contra o Bahia, jogo em que o Colorado saiu derrotado.

- Normal que o Fluminense iria nos pressionar. Fizeram um gol no início. Tentamos nos defender, fizemos algumas modificações, colocar jogadores onde eles mais atacaram. Tínhamos que matar o jogo, conseguimos uma escapada, mas não resultou no gol. Jogadores foram aplicados e tivemos muita garra. Tínhamos que recuperar o jogo com o Bahia, e tivemos felicidade contra uma grande equipe e concorrente ao título - destacou o treinador colorado.

Um dos personagens da partida, pelo tempo em que ficou caído no chão - gerou reclamações do técnico Abel Braga -, Muriel também tratou de parabenizar os colegas.

- Claro que um time de qualidade como o Fluminense sai para o jogo, tentamos segurar da forma que deu, mas sofremos o segundo gol. Está todo mundo de parabéns. O time vem jogando muito. O empenho, todos que entrando, estão ajudando. Acho que é importante. Exalto a força do grupo - discursou o camisa 1 alvirrubro.