icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
10/04/2014
17:44

O Figueirense está na segunda fase da Copa do Brasil. Mas quem viu apenas o 3 a 1 no placar final, sequer imagina o quão sofrido foi o jogo de volta contra o Plácido de Castro, nesta última quarta-feira. Após levar um gol no final do primeiro tempo, o Figueira penou, no Estádio Orlando Scarpelli, para reverter o resultado frente a uma equipe completamente fechada. O técnico Vinícius Eutrópio falou sobre a partida.

- Não precisava ser sofrido, bastava a gente ter saído na frente. Simples, a história do jogo seria completamente diferente.

O gol do Plácido de Castro saiu numa cobrança de falta, a bola foi cruzada na área, ninguém tocou nela e acabou no fundo das redes. Apenas no segundo tempo, Éverton Santos saiu do banco para mudar a partida. O atacante marcou dois gols e Giovanni Augusto fechou, de penâlti, o resultado.

- Uma bola muito longa, tranquila pra gente tirar, sem perigo nenhum, mas nós conseguimos tomar esse gol. E aí a Copa do Brasil tem dessas particularidades, porque mais um gol pra gente não adiantava (empate com gols classificava o Plácido de Castro). Mas mesmo com a equipe desentrosada, com muitos jogadores sem jogar há muito tempo, teríamos de ter a competência de fazer os gols. Coisa que conseguimos no segundo tempo - destacou o treinador do Furacão.

Ainda que tenha assumido o sofrimento de sua equipe na partida, o técnico do Figueira minimizou o susto por ter saído atrás no placar:

- Fatalmente, ganharíamos o jogo. Era muito difícil acontecer uma tragédia. Se a gente imaginar, iríamos perder para uma equipe, sem querer tirar o mérito deles, que não chutou a gol.

O Figueirense, classificado para a segunda fase da Copa do Brasil, deverá enfrentar o Bragantino, em partidas sem datas definidas ainda. As atenções, agora, se voltam para a finalíssima do Campeonato Catarinense: neste próximo domingo, às 16h, no Estádio Orlando Scarpelli, contra o Joinville.