icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
16/12/2013
14:50

A Ponte Preta já tem um novo nome para ser o substituto de Jorginho no comando da equipe. Sidney Moraes, que dirigiu o Icasa na boa campanha na Série B deste ano, desembarca em Campinas na tarde desta sexta-feira para ser oficializado como técnico da Macaca para 2014.

O treinador, de 36 anos, estava acertado com o Avaí, que confirmou o cancelamento do negócio, já que Sidney recebeu uma proposta melhor e preferiu assumir a Ponte Preta.

- Para mim é uma honra comandar a Ponte, é importante demais, vejo como um salto em minha carreira e estou extremamente motivado com esta oportunidade - disse o treinador.

O perfil do técnico era o buscado pela diretoria alvinegra: Jovem e com vontade de crescer junto com o clube, assim como treinadores que tiveram sucesso recentemente no Moisés Lucarelli, como Gilson Kleina, Guto Ferreira e Jorginho,

Além disso, Sidney se enquadra também na readequação financeira da Ponte, que terá uma receita consideravelmente menor na próxima temporada. Dos R$ 30 milhões de cota de TV previstos caso o clube permanecesse na Série A, o valor será de R$ 6,5 milhões (contanto o Paulistão), com o descenso.

- Queremos voltar para a elite do campeonato nacional e no mínimo iremos lutar do começo ao fim para isso. A Ponte nunca deveria ter caído, pela tradição e torcida que tem, é um time de série A e tem que estar lá - completou.

O novo comandante terá muito trabalho na montagem do elenco, juntamente com a diretoria. A previsão é de um desmanche de quase todo o grupo. Até agora, William, Betão, Fellipe Bastos, Elias, Leonardo e Fernando Bob já deixaram o clube. Jogadores valorizados como Rildo, Baraka e Uendel devem ser negociados.

A Ponte Preta será apenas o terceiro clube da carreira de Sidney Moares como treinador. Em 2012, assumiu o Boa Esporte e nesta temporada o Icasa. Como jogador, foi revelado pelo São Paulo em 1997 e teve passagens por Sport, Fluminense, Guarani, Santo André e o próprio Boa Esporte, onde encerrou a carreira antes de virar técnico. No exterior, defendeu Penafiel, Braga e Tofense, de Portugal, e Al-Khaleej, Al-Wahda e Kalba Club, dos Emirados Árabes.