icons.title signature.placeholder Renato Rodrigues
17/11/2013
10:10

Se um rebaixamento para Série B marca de forma negativa a história de qualquer clube, volantes goleadores estão virando uma marca registrada do Corinthians. Depois de ver o próprio Vasco o afundar em 2007, o Timão tem a chance de dar o troco. A melhor arma para isso? Guilherme!

Com dois gols nos últimos três jogos (Vitória e Coritiba), o camisa 19 chega embalado e inspirado em Paulinho para a partida contra o Vasco, neste domingo, às 17h, no Pacaembu, pela 35ª rodada do Campeonato Brasileiro, com transmissão em tempo real no LANCE!Net.

– Estou fazendo as mesmas coisas que o Tite me pede. Acho que estou com sorte. A bola está sobrando mais e assim dá para colocar para dentro (risos). Fico feliz quando a gente vence. Se for com gols meus, melhor ainda. Vou tentar fazer mais uns golzinhos – disse, ao L!Net.

A comparação com Paulinho, agora no Tottenham (ING), no entanto, não é vista com bons olhos. Ciente de que os números ofensivos do antigo camisa 8 são praticamente imbatíveis, seu sucessor se apega em características diferentes. Nos desarmes, por exemplo, leva boa vantagem se comparados os dois últimos Brasileiros. O chute forte, segundo Guilherme, também é uma particularidade.

Corintiano declarado, Guilherme tem mais motivos para ir à rede hoje. Segundo ele, o Vasco o fez sofrer há seis anos. Com o fatídico 1 a 0 no Pacaembu, o time carioca deixou o Timão na boca da zona de rebaixamento, na penúltima rodada do Brasileiro 2007. Na rodada seguinte, o Corinthians empatou com o Grêmio e foi ultrapassado pelo Goiás, que venceu o Internacional:

– Foi um momento triste para qualquer corintiano. Mas os anos se passaram. Hoje a bucha está do lado deles. Temos de fazer nosso jogo. Cada um pensa no seu. Precisamos vencer os quatro jogos restantes.

Apesar de negar vingança, Guilherme tem boa chance de fazer a vontade da Fiel pela derrota de 2007.

Com a Palavra: Paulinho, ex-volante do Corinthians

'Torcida precisa apoiá-lo mesmo sem gols'

"Pelo potencial que tem Guilherme tem condições de ajudar o Corinthians também fazendo gols. Mas, às vezes, marcar gol não é o mais importante e a torcida precisa compreender e apoiá-lo. O fundamental é ele cumprir bem o papel dele dentro do time. Sempre tentei ajudá-lo, mostrando a importância de ele ter paciência, que teria chances. A hora dele, enfim, chegou."

Há seis anos, Vasco fez o Pacaembu chorar

Vasco, Pacaembu, reta final de Brasileirão... Não deve haver um corintiano que não se lembre da noite de 28 de novembro de 2007. O time carioca bateu o Timão por 1 a 0, com gol de Alan Kardec. O resultado, além de acabar com a chance de o Vasco cair, deixou o Timão com a corda no pescoço. Se vencesse, o Corinthians também se livraria das chances de ir para Série B.

– É uma rodada um pouco parecida com aquela. Fico feliz de ter feito o gol pelo Vasco, e até sou muito lembrado pelos palmeirenses por aquela partida, mas o rebaixamento vem de toda uma sequência, não de uma partida, então não tem como falar que fiz o gol que rebaixou o Corinthians – lembrou Kardec, em entrevista ao LANCE!

Com o resultado, o Timão continuou na 16 posição, mas apenas um ponto à frente do Goiás, que perdeu na mesma noite para o Altético-MG. Na última rodada, contra o Grêmio, no Sul, ainda dependia de si, mas apenas empatou por 1 a 1, enquanto o Goiás venceu o Internacional por 2 a 1, em Goiânia.

Bate-Bola: Guilherme, volante Corinthians

‘O mundo gira, hoje é o Timão que está bem’

Continua conversando com o Paulinho? Em depoimento ao LANCE!, ele disse que você pode ser decisivo também fazendo gols...
Fico muito feliz com os elogios dele. Paulinho conversa muito comigo, mesmo depois de ter saído, mesmo estando morando na Inglaterra. A gente troca mensagens pelo celular, ele fala para eu continuar assim. Claro que é fácil falar, mas fazer gols como ele fazia é outra história (risos). Tenho características diferentes, mas tento escutá-lo. Tenho que aproveitar, é um aprendizado o que tenho com ele.

Viu o jogo contra o Vasco que praticamente rebaixou o Timão, na penúltima rodada do Brasileiro?
Eu estava jogando por categorias de base. Mas lembro daquele momento, fiquei triste no dia. Mas faz parte, infelizmente é do futebol. Como todo mundo fala, o mundo gira. Hoje, o Corinthians está bem.

É hora de vingar 2007, então?
A gente pensa em Libertadores, enquanto tiver chances vamos atrás. O sentimento do torcedor é diferente, não tem como. Mas nós, atletas, deixamos isso para eles.