icons.title signature.placeholder Rodrigo Vessoni e Renato Rodrigues
24/12/2013
10:00

Uendel, ex-Ponte Preta, é o único jogador acertado com o Corinthians até agora. Considerando o período natalino, um presente bem modesto para a torcida, acostumada a finais de ano com Papais Noéis bem mais “gorduchos”.

Desde dezembro de 2007, quando Mano Menezes foi trazido para ajudar na reconstrução do time pós-rebaixamento, o torcedor alvinegro se acostumou a ter Natal farto, com super-presente como reforço para a temporada seguinte.

Em dezembro de 2008, o clube virou notícia mundo à fora ao anunciar Ronaldo Fenômeno, que conquistaria dois títulos (Paulista e Copa do Brasil, em 2009) e se tornaria parceiro até fora de campo. Na sequência, ano após ano, vieram Roberto Carlos, Fábio Santos, Adriano e Alexandre Pato, isso sem falar em dois Natais especiais após os títulos do Brasileiro, em 2011, e do Mundial de Clubes, em 2012.

Um cenário completamente diferente do atual. É muito difícil que nas próximas horas o clube surpreenda e anuncie um grande astro do futebol brasileiro ou mundial. O nome de maior impacto que se teve notícia, que foi Diego Tardelli do Galo, é tratado internamente como sonho.

Essa política pés no chão tem duas possíveis explicações. A primeira é a busca por um gasto menor diante do cenário do primeiro semestre, que apresenta apenas a disputa do Paulistão, além de dois jogos contra times pequenos na Copa do Brasil. A segunda é uma precaução para evitar que o clube sofra com dificuldades financeiras diante de cifras milionárias que giram em torno do estádio – empréstimo de R$ 400 milhões do BNDES terá de ser quitado.

– É um cuidado que a gente sempre teve. Eu tenho preocupação em relação a isso (salários altos). É a nossa preocupação não deixar os valores extrapolarem, tirar os pés do chão – afirmou Roberto de Andrade, diretor de futebol, à Transamérica.

Independentemente do motivo, o torcedor do Corinthians tem de ter algo na cabeça: o Natal de 2013 será magrinho perto dos últimos anos.

Marketing: futebol é quem manda

O departamento de marketing ganhou notoriedade no Corinthians nos últimos anos. E não apenas em relação a produtos e campanhas que mexeram com os torcedores. Houve uma participação direta na contratação de alguns dos jogadores que passaram pelo clube desde o rebaixamento, como Ronaldo Fenômeno.

Para 2014, o departamento não deve ter trabalho, já que a intenção do departamento de futebol profissional é evitar gastos em demasia com reforços. Questionado sobre a falta de um novo “astro” para a próxima temporada, o gerente de marketing do clube, Caio Campos, lembrou que as definições têm de passar pelo CT Joaquim Grava.

– Quem manda nas contratações é o futebol, não o marketing. Nós operamos em cima das receitas do futebol, não somos nós (do marketing) que falamos o que é bom. Claro que ninguém é insano de dizer que não é bom ter astro – disse o gerente ao L!.

PRESENTES DE NATAL NOS ÚLTIMOS SEIS ANOS:

2007 – Mano Menezes
O Corinthians havia sido rebaixado no Brasileirão, mas já havia iniciado o processo de reconstrução. Mano Menezes, que também interessava ao Flamengo, foi contratado. Sem dinheiro, clube listava reforços como Chicão, William, Alessandro e outros.

2008 – Ronaldo
Um dos maiores e melhores presentes de Natal dos últimos anos. O Fenômeno foi anunciado no fim de novembro daquele ano e apresentado na manhã de 12 de dezembro, com festa para mais de 6 mil torcedores. A Fiel já havia comemorado a volta à Série A do Brasileirão.

2009 – Roberto Carlos
Pelo segundo ano consecutivo, a diretoria do Corinthians contrata um astro internacional. Acordo com lateral-esquerdo, ex-Real Madrid (ESP), foi anunciado antes do Natal de 2009, mas jogador só foi apresentado no dia 4 de janeiro de 2010, no ano do centenário.

2010 – Adriano
O Imperador estava na Roma (ITA). Convidado por Ronaldo, fechou acordo com o Corinthians em dezembro de 2010 e se apresentou em maio de 2011. Astro internacional como o Fenômeno e Roberto Carlos, Adriano foi um fiasco e teve o contrato rescindido em 2012.

2011 – Título brasileiro
Corinthians conquista o quinto título brasileiro no início de dezembro e a diretoria avisa que ninguém sairá. Objetivo é disputar a Libertadores com a base sólida montada nos anos anteriores. Desconhecido, goleiro Cássio é contratado para ser reserva de Julio Cesar.

2012 – Título mundial...
Com gols de Guerrero na semifinal, contra o Al Ahly (EGI), e na final, diante do Chelsea (ING), Corinthians conquista o bi mundial, com mais de 30 mil corintianos no Estádio Nacional de Yokohama e manda do Japão o melhor presente de Natal que o corintiano podia querer.

...E Alexandre Pato
Ao mesmo tempo, clube costurava últimos detalhes para contratar atacante do Milan por 15 milhões de euros (R$ 40 milhões na época), além do zagueiro Gil, do Valencienes (FRA), e do meia Renato Augusto, do Bayer Leverkusen (ALE). Bi da Libertadores era o objetivo.