icons.title signature.placeholder Guilherme Cardoso
04/06/2014
08:04

Depois dos revezamentos, o momento agora é para focar os saltos. Essa, pelo menos, é a visão da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) para as próximas competições internacionais.

Após os brasileiros passarem em branco em Londres-2012 e no último Mundial outdoor, em Moscou-2013, a entidade, ao lado do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), organizou um programa para desenvolver as modalidades vistas com maior potencial para conquistar medalhas na Olimpíada de 2016.

Nesta temporada, os primeiros passos foram dados com as equipes de revezamento, no Mundial da modalidade, no fim do último mês em Bahamas. Quatro times (4x100m e 4x400m, masculino e feminino) conseguiram o índice para o Mundial do próximo ano. Com o fim do torneio, o foco é outro.

– Estamos botando força nos programas de saltos. Temos um bicampeão do mundo no salto em distância (Mauro Vinícius da Silva, o Duda, no indoor), além do salto com vara. Nossos varistas estão todos na Europa – afirmou o superintendente de Alto Rendimento da Confederação, Antonio Carlos Gomes.

Além de realizarem um período de treinamentos, os principais saltadores com vara do Brasil estão no continente europeu para participarem de competições. Nesta quinta-feira, Fabiana Murer disputa a etapa de Roma (ITA) da Liga Diamante. Já no dia 11, Thiago Braz vai participar do torneio em Oslo (NOR). Augusto Dutra aguarda uma confirmação, mas deve estar presente, ainda mais após levar a medalha de prata na Liga em Eugene (EUA) no último sábado.

Com o início das principais competições outdoor na Europa, os varistas brasileiros estão longe das principais marcas de 2014. Com 4,40m do título dos Jogos Sul-Americanos em março, Fabiana tem o 18º melhor salto deste ano – a cubana Yarisley Silva tem 4,66m. Já Dutra e Braz estão com as 11ª (5,63m) e 49ª (5,43m) marcas, respectivamente – o francês Renaud Lavillenie está com 5,92m. Mas isso tudo pode mudar.

Revezamento tem meta cumprida

A Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) comemorou os resultados do Mundial de Revezamento, em maio, em Bahamas. Apesar de o país não ter subido ao pódio, foram conquistadas quatro vagas para o Mundial de Atletismo de 2015, na China: 4x100m e 4x400m masculino e feminino.

– Essa etapa está cumprida. A ideia era classificar todas as equipes do revezamento para o Mundial do ano que vem. Agora, os atletas precisam esquecer um pouco o revezamento. A partir desse momento, é trabalhar pesado para melhorarem as marcas individuais – afirmou o superintendente de Alto Rendimento, Antonio Carlos Gomes.

VARISTAS BRASILEIROS NO ANO:

Fabiana Murer
Ficou no quarto lugar no Mundial indoor, em Sopot (POL), com 4,70m. As três primeiras colocadas atingiram essa mesma marca, mas levaram vantagem no desempate por terem atingido a altura em saltos anteriores. Em seguida, foi ouro nos Jogos Sul-Americanos, em Santiago (CHI), no início de março.

Thiago Braz
Ficou em quarto lugar no Mundial indoor, ao saltar 5,75m. Nos Jogos Sul-Americanos, errou todos os saltos.

Augusto Dutra
Foi o sétimo no Mundial indoor e o ouro nos Jogos Sul-Americanos. Ainda levou a prata na Liga Diamante, em Eugene..