icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
20/04/2014
21:24

Alan Kardec marcou o gol da virada do Palmeiras sobre o Criciúma, por 2 a 1, neste domingo, na estreia do time no Campeonato Brasileiro. De quebra, aumentou a pressão sobre a diretoria, que vê emperrada a negociação pela permanência do artilheiro do elenco no ano (dez gols em 17 jogos). Ele está emprestado pelo Benfica (POR) até o fim de junho.

Poucos minutos após o término da partida, o pai e empresário do atacante, que também se chama Alan Kardec, mostrou-se aberto a ouvir propostas de outros clubes.

- Eu tinha escutado muita coisa e fechei os ouvidos. Estou falando agora que abri os ouvidos - declarou, em entrevista à Rádio Globo.

Em meio às tratativas até agora infrutíferas com o Palmeiras, os representantes de Alan Kardec alegam ter feito várias concessões ao clube. Mesmo que a contragosto, aceitaram o modelo de produtividade e reduziram ao menos três vezes a pedida salarial. Mesmo assim, dizem que a diretoria tem feito exigências demais.

- Na reunião eu fiquei triste, bastante decepcionado. É extremamente antiético falar números, mas se eu falasse, tenho certeza que todos ficariam abismados. Se no futuro meu filho for para outro clube e alguém insinuar que ele foi mercenário, podem me procurar. Estarei aberto a dar qualquer tipo de documento. Tenho certeza que vai causar espanto à maioria - disse.

O jogador preferiu não comentar o assunto e preferiu falar de sua atuação na partida.

- Tem que ter equilíbrio, não gosto de falar das negociações e vou manter essa postura. Hoje tenho que falar que tecnicamente não fui um dos melhores, mas na parte final Deus me abençoou com o gol - afirmou o camisa 14.