icons.title signature.placeholder Alexandre Braz
02/06/2014
12:41

O departamento comercial do Botafogo acertou um novo patrocínio para substituir a marca americana TelexFree, com a qual os botafoguenses rescindiram contratado em maio. A diretoria alvinegra chegou a um acordo com a Vitton 44 para exibir mais uma marca da empresa, Carioquinha, também bebida de copo, na camisa alvinegra. O vínculo vai até o fim de 2014. Como de costume, os valores envolvidos no negócio não foram divulgados.

A Vitton 44 já tem o Guaraviton como patrocinador master do Botafogo e o Guaravita nas costas da camisa. Depois de rescindir o contrato com o antigo parceiro, a qual estima-se tenha recebido cerca de R$ 4 milhões, os alvinegros já vinham exibindo a marca Carioquinha na camisa nas últimas partidas do time no Campeonato Brasileiro.

E MAIS
> Após longa negociação, Botafogo acerta com novo preparador físico
> Mancini espera que diretoria pague salários por mais conforto para jogadores
> Mancini elogia a chegada de Moraci: 'Botafogo ganha muito com ele'

L!TV:
> Botafogo arranca empate com o Corinthians fora de casa
> Técnico do Botafogo analisa partida e desempenho no campeonato

- Está fechado o acordo. Agora todas as nossas marcas estarão estampadas na camisa do Botafogo, o que é motivo de orgulho para nós - disse o empresário Neville Proa, dono da Vitton 44, ao LANCE!Net.

O contrato com a TelexFree gerou muita polêmica pelo fato de a empresa ser proibida de atuar no Brasil, acusada de praticar crime de pirâmide financeira. Depois de os seus donos terem sido presos nos Estados Unidos, acusados da mesma prática, a diretoria alvinegra preferiu encerrar o vínculo que também iria até o fim deste ano.

A assinatura do contrato com o antigo patrocinador chegou a desagradar Neville Proa, dono da empresa com a qual o Botafogo tem contrato de patrocínio desde 2011, fato que, apesar de reafirmar o seu posicionamento anterior, para o empresário está superado.

- Aquela situação foi o Botafogo quem criou. Eles nem me avisaram da assinatura do contrato com uma empresa ilegal. O resultado está aí, um dono está preso e o outro está sendo procurado. Mas não importa mais, o apisódio está completamente superado - afirmou Neville.