icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
16/12/2013
14:32

A Procuradoria Nacional da Espanha pediu ao Barcelona os contratos do atacante Neymar. O pedido vem na sequência da denúncia do socio barcelonista Jordi Cases, que acusou o presidente Sandro Rosell de apropriação indébita no processo de contratação do jogador brasileiro.

O caso está a cargo do fiscal José Perals, que também quer analisar a contabilidade do Barça relativa aos anos de 2011, 2012 e 2013. Perals afirmou que, segundo Jordi Cases, os contratos pelos quais o clube espanhol contratou Neymar foram celebrados no Brasil. Um em 2011 e outro em maio deste ano.

Perals explicou que o delito de apropriação indébita, do qual Rosell é acusado, teria sido cometido no momento em que entrou no Brasil o dinheiro cujo destino é questionado, a favor de Neymar, da sociedade N&N, de seus representantes legais ou de terceiros. A conclusão é que o delito havia sido consumado no exterior.

E MAIS:

Presidente do Barça acusado de ter se apropriado de dinheiro na negociação por Neymar
Dinheiro de amistosos da Seleção foi parar na conta de Sandro Rosell
Rosell possibilitou rombo milionário com jogo da Seleção Brasileira

Segundo a denúncia, a divisão dos supostos 57 milhões (R$ 182 milhões) pagos pelo Barcelona na contratação de Neymar foram divididos da seguinte maneira: 17 milhões (R$ 54,3 milhões) com relação a direitos federativos e outros 40 milhões (R$ 127,9 milhões) à empresa N&N. Jordi Cases, autor da denúncia, afirma que este contrato segue oculto aos sócios do clube espanhol. Sendo assim, não se sabe qual foi o destino dos 40 milhões de euros (R$ 127,9 milhões) supostamente pagos ao jogador e a seus representantes legais. É esta quantia sobre a qual Rosell está sendo acusado de se apropriar.