icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
28/03/2014
12:02

Após as críticas do astro Falcão, grande nome do futsal brasileiro, a Confederação Brasileira de Futsal (CBFS) vei a público dar explicações a respeito. Em nota oficial assinada pelo presidente Aécio de Borba Vasconcelos, a entidade diz não querer polemizar com o craque Falcão, mas explica os trabalhos que vêm sendo realizados ao redor do país com a modalidade. Além disso, o comunicado fala dos patrocínios da CBFS, das premiações por títulos e da Associação de Atletas.

Nas críticas à confederação, Falcão, que está com 36 anos, chegou a dizer que a entidade tratou os jogadores como "descartáveis e inúteis em todos os momentos" e que foi afastado por brigar pelo direito de outros atletas. Além disso, ele reclamou de falta de estrutura em uma concentração em Fortaleza, onde teriam ficado sem televisão e internet.

Ao LANCE!Net, Vanessa, uma das estrelas do futsal feminino, também fez suas reclamações. A jogadora pediu por organização, valorização e um calendário bem feito.

Confira na íntegra a explicação da CBFS:

Em razão dos comentários feitos pelo atleta FALCÃO, secundado por outros dois valorosos atletas, que ganharam destaque em vários veículos da imprensa nacional e nas mídias sociais, a Confederação Brasileira de Futsal (CBFS) tem o dever de vir a público fazer os seguintes esclarecimentos:

1. É imperioso destacar, de logo, que não se tem nenhuma pretensão polemizar com o atleta FALCÃO, uma unanimidade nacional e internacional, a quem sempre respeitamos e devemos eterna gratidão desportiva por relevantíssimas e decisivas atuações na seleção brasileira de Futsal. Tendo disputado quatro títulos mundiais, foi ele peça fundamental em dois deles (2008 e 2012), do total de sete (7) mundiais já conquistados pela CBFS.

Mas, além dele, muitos outros atletas, aqui não nominados para não se cometer injustas omissões, foram igualmente importantes e marcantes nas conquistas de outros cinco (5) títulos mundiais (1982, 1985, 1989, 1992 e 1996), gerações essas que não contaram com o talento do craque FALCÃO.

2. Declarar que o Futsal do Brasil “andou 20 anos para trás”, é esquecer a história vitoriosa que o próprio FALCÃO ajudou a construir, pois nenhum dos 209 países filiados à FIFA obteve, nem por sonho, como o Brasil, o láureo de heptacampeão masculino (em 10 títulos disputados), nem de tetracampeão mundial feminino (em 4 títulos disputados – 2010 (na Espanha), 2011 (no Brasil), 2012 (em Portugal) e 2013 (na Espanha). Some-se a isso os inúmeros títulos sul-americanos, pan-americanos, de grand prix, de mundialitos e de torneios internacionais que perfazem mais de uma centena.

3. O consagrado atleta assinala que faz suas críticas “pensando na geração que está vindo e na sequência do futsal”. Se é esta sua preocupação pode ficar tranquilo, pois, pouquíssimas Confederações no país promovem, por ano, nada menos que 27 competições nacionais de seleções e de clubes, nas categorias sub-15, sub-17, sub-20 e adulto, tanto no masculino, como no feminino. Ademais, estando presente em todos os estados e no Distrito Federal, congrega mais de 5 mil clubes e 430 mil atletas inscritos, além de projetos de inclusão social de comunidades carentes nas Escolinhas de Futsal.

4. Certamente é este incentivo e impulso permanentes dados pela CBFS, nas categorias principal e de base, e em todos os naipes, que lhe propiciaram o cartel de desempenho mais vitorioso de todos os desportos brasileiros. Com efeito, as seleções brasileiras de Futsal jogaram até hoje 795 partidas, venceram 726 (91,32%), empataram 40 (5,04%) e perderam apenas 29 (3,64%). E contra números qualquer retórica se torna falaciosa e descabida.

5. Nenhum dos contratos com os patrocinadores da CBFS têm previsão de rubrica ou verba específica para pagamento de premio pecuniário aos atletas para conquistas de títulos continentais ou mundiais. Por isso mesmo, tais prêmios sempre foram pagos de acordo com a capacidade financeira da CBFS.

6. A visível prioridade das empresas e de entes públicos no patrocínio do Futebol, por força da Copa do Mundo de 2014, ou, de direcionar os recursos para as modalidades olímpicas, em razão dos Jogos Olímpicos de 2016, têm, de fato, gerado dificuldades e “concorrência deslea”nos patrocínios que não podem ser imputadas aos gestores da CBFS.

7. Ao asseverar que a CBFS “virou uma ditadura” o atleta demonstra que ainda não tomou conhecimento de alteração estatutária aprovada pela unanimidade da Assembleia Geral, onde, no art. 1º-A, ficou grafado que a entidade se rege “por princípios definidores da gestão democrática”. E mais, assegurou-se no seu inciso VI a “participação de atletas nos colegiados de direção e na eleição para os cargos da CBFS”. Assim, além deste canal oficial, a entidade está, como sempre esteve, aberta às críticas e sugestões construtivas de todos os seus segmentos, inclusive atletas, para concretizar uma administração com efetivas práticas de Governança Corporativa.

8. Ao ser criada a Associação de atletas do futsal, a CBFS parabenizou sua diretoria, colocando-se à disposição para ouvi-los e recebê-los, evidenciando o apreço mantido com a classe. Acrescente-se que, sistematicamente, a CBFS sempre homenageou e agradeceu, publicamente, a todos, em especial os atletas, que ao longo dos anos têm contribuído para ampliar a coleção de títulos internacionais do salonismo brasileiro.

9. Dizer que a CBFS não reconhece atletas que participaram de suas seleções brasileiras é esquecer ou silenciar, por exemplo, que Vander Iacovino, atleta campeão mundial, já foi técnico de nossas seleções e, atualmente, Manoel Tobias, também atleta campeão mundial e escolhido por duas vezes melhor do mundo, é o atual técnico das seleções feminina e sub-20, além de auxiliar técnico da seleção masculina, categoria principal. É esta a evidência maior do respeito incondicional que temos e teremos sempre pelos nossos atletas, parceiros indispensáveis na luta por um Futsal cada vez melhor.