icons.title signature.placeholder Igor Siqueira
icons.title signature.placeholder Igor Siqueira
17/07/2013
20:14

O presidente do Vasco, Roberto Dinamite, comentou a postura irredutível do Fluminense sobre o posicionamento das torcidas no clássico do próximo domingo, no Maracanã. O mandatário vascaíno não escondeu a decepção por não ter conseguido convencer a diretoria tricolor a respeito da localização dos torcedores. O Vasco vai ficar à esquerda das cabines de imprensa, diferentemente do que aconteceu antes da reforma do estádio.

- Boicote? É uma decisão do torcedor e tenho que acatar. Mas senti, como torcedor, nessa condições, se eu fosse optar, eu não iria para o jogo - afirmou o dirigente, em coletiva na Ferj.

Dinamite ainda acrescentou houve entendimento para que o Fluminense fique com a maior parte da renda da partida, no entanto, deixou claro que no jogo pelo segundo turno do Brasileiro vai querer exercer o direito de mandante, ficando com a maior fatia da arrecadação e até brigar para que o duelo aconteça em São Januário.

- Foi feito um acordo. O Fluminense vai ter a renda praticamente toda. E o Vasco, na volta, em outubro, vai decidir se joga em São Januário, no Maracanã ou outro local - completou.


Os dirigentes ficaram reunidos nesta quarta-feira por quase três horas, mas o presidente do Flu, Peter Siemsen, não aceitou ceder, baseado no contrato que assinou com o Consórcio Maracanã, que prevê ao clube a prioridade na escolha do lado que utilizará pelos próximos 35 anos.

O presidente do Vasco, Roberto Dinamite, comentou a postura irredutível do Fluminense sobre o posicionamento das torcidas no clássico do próximo domingo, no Maracanã. O mandatário vascaíno não escondeu a decepção por não ter conseguido convencer a diretoria tricolor a respeito da localização dos torcedores. O Vasco vai ficar à esquerda das cabines de imprensa, diferentemente do que aconteceu antes da reforma do estádio.

- Boicote? É uma decisão do torcedor e tenho que acatar. Mas senti, como torcedor, nessa condições, se eu fosse optar, eu não iria para o jogo - afirmou o dirigente, em coletiva na Ferj.

Dinamite ainda acrescentou houve entendimento para que o Fluminense fique com a maior parte da renda da partida, no entanto, deixou claro que no jogo pelo segundo turno do Brasileiro vai querer exercer o direito de mandante, ficando com a maior fatia da arrecadação e até brigar para que o duelo aconteça em São Januário.

- Foi feito um acordo. O Fluminense vai ter a renda praticamente toda. E o Vasco, na volta, em outubro, vai decidir se joga em São Januário, no Maracanã ou outro local - completou.


Os dirigentes ficaram reunidos nesta quarta-feira por quase três horas, mas o presidente do Flu, Peter Siemsen, não aceitou ceder, baseado no contrato que assinou com o Consórcio Maracanã, que prevê ao clube a prioridade na escolha do lado que utilizará pelos próximos 35 anos.