icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
20/07/2013
21:57

Ao término da derrota do São Paulo por 3 a 0 para o Cruzeiro, neste sábado à noite, no Morumbi, os torcedores presentes no estádio pouparam apenas Rogério Ceni e Paulo Autuori dos xingamentos. A dupla, aliás, foi aplaudida. Já o restante do elenco foi criticado pela torcida.

Apesar da moral com os são-paulinos, o treinador, que acumula três derrotas em três partidas desde que retornou ao clube paulista (Goiás, Corinthians e Cruzeiro), não quer tratamento diferenciado. E pede que os protestos sigam sem violência.

- Meu nome não merece ser gritado porque estou junto com o grupo. Agradeço, mas não é o momento para isso. Espero que eles gritem por algo que eu venha a fazer no futuro. Estamos na onda de protestos, e isso é válido, desde que seja da maneira como está sendo. Eles têm direito - explicou o técnico, me entrevista coletiva no Morumbi.

- A gente vive entre alegrias e tristezas, vitórias e derrotas, sim e não. Temos de estar preparados para as críticas, faz parte. Não temos de ficar chateados com isso - complementou.

Enquanto Paulo Autuori analisava a revolta da torcida, as organizadas protestavam do lado de fora do Morumbi. Elas vetaram qualquer crítica a Juvenal Juvêncio e protestaram contra Marco Aurélio Cunha.

Paulo Autuori analisa impacto da derrota na equipe

Ao término da derrota do São Paulo por 3 a 0 para o Cruzeiro, neste sábado à noite, no Morumbi, os torcedores presentes no estádio pouparam apenas Rogério Ceni e Paulo Autuori dos xingamentos. A dupla, aliás, foi aplaudida. Já o restante do elenco foi criticado pela torcida.

Apesar da moral com os são-paulinos, o treinador, que acumula três derrotas em três partidas desde que retornou ao clube paulista (Goiás, Corinthians e Cruzeiro), não quer tratamento diferenciado. E pede que os protestos sigam sem violência.

- Meu nome não merece ser gritado porque estou junto com o grupo. Agradeço, mas não é o momento para isso. Espero que eles gritem por algo que eu venha a fazer no futuro. Estamos na onda de protestos, e isso é válido, desde que seja da maneira como está sendo. Eles têm direito - explicou o técnico, me entrevista coletiva no Morumbi.

- A gente vive entre alegrias e tristezas, vitórias e derrotas, sim e não. Temos de estar preparados para as críticas, faz parte. Não temos de ficar chateados com isso - complementou.

Enquanto Paulo Autuori analisava a revolta da torcida, as organizadas protestavam do lado de fora do Morumbi. Elas vetaram qualquer crítica a Juvenal Juvêncio e protestaram contra Marco Aurélio Cunha.

Paulo Autuori analisa impacto da derrota na equipe