icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
17/07/2014
08:04


O argentino Hernán Barcos passa por um momento complicado no Grêmio. Ainda que tenha o posto de artilheiro do clube na temporada, com 17 gols, o argentino saiu vaiado após perder três oportunidades no empate em 0 a 0 com o Goiás, o quarto jogo em que o Tricolor não marcou gols. O técnico Enderson Moreira defendeu seu camisa 9 e afirmou que vai dar confiança ao Pirata. A diretoria também mostra otimismo para que o jogador possa voltar a ter o mesmo rendimento de outrora.

O comandante gremista não rechaçou a possibilidade de sacar Barcos para dar espaço ao jovem Lucas Coelho no setor. Mas foi bastante veemente ao afirmar que não pode mudar a cada erro e criar um ambiente de desconfiança para o grupo. A alegação de Enderson é que uma mudança pode tirar totalmente a confiança de Barcos e

- Não posso é colocar o Barcos dois jogos, depois o Lucas, depois volto com o Barcos, depois Lucas. Se for dar oportunidade, vai ser uma sequência. Não posso ficar trocando toda hora. Não existe isso em futebol profissional, existe em pelada. O jogador tem que ter tranquilidade para desenvolver o futebol. Quando reverter isso, talvez vocês vejam que a paciência do treinador foi pertinente. Jogador tem que ter a perspectiva de errar. Ter o direito de errar - disse Enderson.

A rotina de Barcos tem sido de cobranças por conta de chances claras para marcar. O camisa 9 sofreu deste mal contra o São Paulo, contra o Palmeiras e agora contra o Goiás. Ainda que tenha sido vaiado e aplaudiu os torcedores presentes na Arena - foram 26 mil pessoas. O treinador não deu nenhum tipo de prazo para o Pirata retomar a boa fase.


- Converso com a comissão técnica, eu que tenho que decidir. NBaço adianta nenhum tipo de pressão, quando que vai acontecer. Isso é responsabilidade minha. Não pode ser compartilhado com vocês. No momento que achar que é interessante, vai aconteceer. Mas quando achar que tem condições de reverter, ele vai ficar. Não deixou de lutar, se dedicar, está empenhado. Mas a coisa não acontece, é coisa do futebol - completou o treinador.

Barcos viveu momentos de altos e baixos desde que chegou ao clube gaúcho. No início de 2013, começou bem na Libertadores, mas passou a ser escalado mais recuado por Vanderlei Luxemburgo e passou por uma seca. Com Renato, não era favorecido pela estratégia e esquema, e acabou também passando por períodos longos de seca. Neste ano, contabiliza 17 gols, 13 deles no Gauchão, mas não marca desde a vitória sobre a Chapecoense, dia 11 de maio, na Arena Condá.