icons.title signature.placeholder Felipe Bolguese
17/12/2013
14:58

No dia 27 de novembro, um guindaste cedeu quando içava uma peça de 420 toneladas e matou dois operários que trabalhavam nas obras da Arena Corinthians, em Itaquera. O fato causou comoção e deixou o ex-presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, abalado.

Na última segunda-feira, o dirigente comentou sobre a repercussão do caso e pediu que as pessoas também mostrem a mesma indignação com as mortes por acidentes de trânsito e armas de fogo.

- Corinthians e Odebrecht fizeram de tudo para não ter acidente até aquele momento. Infelizmente, foi uma fatalidade. Mas eu gostaria que o brasileiro ficasse indignado, como está indignado com as mortes nos estádios, com as mortes no trânsito, com mortes por arma de fogo... No Brasil, as mortes são banalizadas. Nós, cidadãos, precisamos cobrar não só nos estádios, mas principalmente na nossa vida como um todo - disse o ex-mandatário alvinegro.

Andrés afirmou que a Odebrecht já está agindo para indenizar as famílias de Fábio Luiz Pereira e Ronaldo Oliveira dos Santos, os operários mortos no acidente. Segundo ele, uma ideia é que o estádio banque os custos dos filhos dos funcionários até a faculdade.

- As empresas onde eles trabalhavam e a Odebrecht estão vendo as questões de seguro. O Corinthians vai entrar junto, principalmente para fazer algo para os filhos dessas pessoas. Quando eu digo o Corinthians, eu digo o estádio. Vamos pensar em pagar até a faculdade desses filhos, isso pode ser uma responsabilidade da Arena - afirmou Sanchez.