icons.title signature.placeholder Felipe Bolguese
17/12/2013
07:05

Na última sexta-feira, o ex-presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, voltou de Abu Dhabi (EAU) após conversar sobre os naming rights da Arena Corinthians com o fundo Abu Dhabi Investiment Authority (Adia), o maior dos Emirados Árabes Unidos. Para ele, o negócio está "morno".

- Está morno - disse, sem dar mais explicações

- Morno. Nem quente, nem frio (risos) - completou.

O Adia tem um aporte financeiro de US$ 630 bilhões (cerca de R$ 1,4 trilhão). A intenção do clube é vender o nome do futuro estádio em Itaquera por R$ 400 milhões, com autorização de exploração do nome por 20 anos. Após as negociações, estes valores podem ser menores, já que o mercado não prevê cifras neste patamar.

As companhias aéreas Emirates, de Dubai, e a Etihad, de Abu Dhabi, pertencem ao Adia. Uma delas poderá ser escolhida para dar nome à Arena Corinthians.

PRAZO GARANTIDO

Como havia adiantado o Comitê Organizador Local (COL) e a Fifa, o prazo para a entrega das obras da Arena, sede de abertura da Copa do Mundo de 2014, será até o dia 15 de abril. Segundo Sanchez, a expectativa é a de realizar jogos testes até o fim do mês.

- O estádio estará 93%, 94% pronto em fevereiro, começo de março. O local onde está interditado por conta do acidente, cerca de 5%, já vai estar pronto no dia 15 de abril, quando entregamos o estádio (para a Fifa). Na segunda quinzena, já devem ter os jogos-testes - disse o dirigente, minimizando o prazo perto da abertura, no dia 12 de junho.

- Na África do Sul (sede da Copa do Mundo de 2010), os estádios ficaram prontos dez dias antes da Copa - disse.

No dia 27 de novembro, um acidente na Arena Corinthians matou dois operários durante as obras. Um guindaste que içava uma peça de 420 toneladas cedeu e tanto o guindaste quanto a peça caíram. O acidente, além de vitimar os dois funcionários, danificou parte das cadeiras leste e do painel de LED da fachada do estádio.