icons.title signature.placeholder Felipe Mendes, enviado especial*
icons.title signature.placeholder Felipe Mendes, enviado especial*
09/07/2013
13:44

Um centésimo. Essa foi a diferença entre a medalha de ouro e a de prata para Anderson Henriques na final dos 400m, na Universíade de Kazan, na Rússia. Nesta terça-feira, no Central Stadium, por muito pouco o brasileiro não subiu no ponto mais alto do pódio. Ele chegou em segundo lugar, com o tempo de 45s50. O vencedor foi o russo Vladimir Krasnov, com 45s49, melhor tempo da distância na temporada. O outro brasileiro na prova, Pedro Luís, chegou em sexto, com a marca de 45s96.

Henriques, que está classificado nesta prova para o Mundial de Moscou, em agosto, largou muito bem. Ele assumiu a liderança nos primeiros metros e ficou na ponta até a reta final. Foi quando Krasnov colou no brasileiro e obteve a ultrapassagem. Os dois, no entanto, seguiram praticamente juntos até o russo cruzar em primeiro. Mas foi preciso o uso do photo finish para definir quem tinha sido o vencedor.

- Essa medalha é resultado de muito treino, sacrifício e dedicação. Depois de garantir o índice para o Mundial em Moscou, vim para a Universíade mais calmo e preparado. Aqui está sendo um simulado do que encontrarei daqui um mês em Moscou - disse Henriques.

* O repórter viaja a convite da CBDU

Um centésimo. Essa foi a diferença entre a medalha de ouro e a de prata para Anderson Henriques na final dos 400m, na Universíade de Kazan, na Rússia. Nesta terça-feira, no Central Stadium, por muito pouco o brasileiro não subiu no ponto mais alto do pódio. Ele chegou em segundo lugar, com o tempo de 45s50. O vencedor foi o russo Vladimir Krasnov, com 45s49, melhor tempo da distância na temporada. O outro brasileiro na prova, Pedro Luís, chegou em sexto, com a marca de 45s96.

Henriques, que está classificado nesta prova para o Mundial de Moscou, em agosto, largou muito bem. Ele assumiu a liderança nos primeiros metros e ficou na ponta até a reta final. Foi quando Krasnov colou no brasileiro e obteve a ultrapassagem. Os dois, no entanto, seguiram praticamente juntos até o russo cruzar em primeiro. Mas foi preciso o uso do photo finish para definir quem tinha sido o vencedor.

- Essa medalha é resultado de muito treino, sacrifício e dedicação. Depois de garantir o índice para o Mundial em Moscou, vim para a Universíade mais calmo e preparado. Aqui está sendo um simulado do que encontrarei daqui um mês em Moscou - disse Henriques.

* O repórter viaja a convite da CBDU