icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
29/07/2014
07:17


Jogador agredido, goleada sofrida, time sem raça, ingressos caros, treinador em jejum de vitória... Até a semana passada, todas estas situações eram vistas no Flamengo. Uma semana depois, a história passou a ser diferente e faz com que o torcedor do Flamengo enxergue uma luz no fim do túnel na luta contra o rebaixamento no Campeonato Brasileiro.

A troca de treinador foi essencial para esta mudança de panorama. Com Ney Franco, o time se mostrava passivo e não tinha o torcedor ao seu lado. Em sete jogos, nenhuma vitória. Já com Vanderlei Luxemburgo, a história mudou e o time voltou a ter raça em campo, deixando o ambiente mais leve e trazendo de volta a torcida para incentivar a equipe, a partir da diminuição do preço do ingresso e da liberação do público nos treinamentos realizados na Gávea, sede do Flamengo.

E MAIS!
> Felipe se reúne com Luxemburgo nesta terça para definir futuro no Fla
> Dirigente do Milan nega acordo por Robinho e coloca clube grego no páreo
> 'Dormi com R$ 30 mi e acordei com R$ 3 mi', diz presidente da Lusa sobre queda




A mudança em um todo foi comentada por Vanderlei Luxemburgo, que elogiou a raça dos jogadores na partida que marcou a quarta estreia dele como técnico rubro-negro. O comandante destacou a participação do torcedor, considerado por ele o centroavante do time.

– Quem está acostumado ao Flamengo sabe que o torcedor não é o 12º jogador. Ele é o centroavante. A participação dele foi fantástica. Não vaiou, apoiou o tempo todo. Se fizer isso sempre, nosso caminho será mais sossegado. Queria que o torcedor sentisse orgulho do time, que visse algo diferente, um grupo comprometido com um projeto, sabendo a razão de estar aqui – afirmou Luxemburgo, que também comentou sobre a melhora do ambiente.


Luxemburgo reestreou no Flamengo com vitória sobre o Botafogo (Foto: Paulo Sérgio/LANCE!Press)

– O ambiente na concentração já estava diferente. Outro dia, no CT, pegaram os instrumentos e começaram a tocar um pagode. Se tivesse um pandeiro, teria entrado também. Achei eles mais vivos, alegres e confiantes. Eles sabem que agora têm alguém aqui para botar a cara e que vai responder por eles, sem comparar com ninguém. Lá dentro é outra história e cobro, mas aqui eu que falo.