icons.title signature.placeholder Marcio Porto
27/04/2014
11:02

O duelo deste domingo, entre Cruzeiro e São Paulo, terá um reencontro especial. Pelo menos para Júlio Baptista. Pela primeira vez depois que voltou a jogar no Brasil, o meia-atacante vai enfrentar o Tricolor, clube pelo qual iniciou a carreira. Será uma tarde de saudosismo, abraços, mas muita luta, garante o agora celeste.

– É algo estranho. Tenho um carinho muito grande pelo São Paulo, e respeito acima de tudo. Mas hoje defendo o Cruzeiro e vou me empenhar muito para conseguir a vitória – afirmou Júlio, ao LANCE!Net.

Júlio está com 32 anos e despontou no Tricolor no início dos anos 2000. Ele é da mesma geração que Kaká e atuou ao lado de Rogério Ceni e Luis Fabiano na conquista do Torneio Rio-São Paulo.

O meia foi negociado em 2003 com o Sevilla (ESP), clube em que ganhou destaque internacional. Lá, Júlio recebeu o apelido de “La Bestia” ou “a fera”, na tradução. Voltou ao país no ano passado e logo sagrou-se campeão brasileiro. Mas a gratidão permanece.

– No São Paulo, passei por todas as categorias de base. Fui vendido logo, não pude mostrar meu futebol no Brasil. Mas tenho um carinho muito grande pelo clube – diz.

Júlio afirma que não foi procurado pelo São Paulo em nenhum momento para retornar ao clube. Mas não guarda mágoa e vai aproveitar a oportunidade para matar a saudade dos amigos que deixou.

O camisa 10 vai atuar como centroavante hoje e deixará Borges, bicampeão brasileiro pelo São Paulo em 2007 e 2008, no banco. Dagoberto, que também conquistou os títulos, está machucado e não joga.

Confira abaixo uma entrevista com Júlio Baptista

O São Paulo o procurou para voltar ao país?
Não me procurou, eu estava no Málaga, tinha a chance de ficar lá, aí chegou o Cruzeiro. Vi como muito boa oportunidade e voltei.

Mas pensa em encerrar a carreira no São Paulo?
É muito difícil no futebol você idealizar, querer que as coisas aconteçam como você queira. É difícil, o futuro a Deus pertence. O que tem que acontecer sempre vai acontecer. Vim para o Cruzeiro e já consegui dois títulos.

Como está o Cruzeiro para essa partida?
O Cruzeiro vive momento muito bom, nosso time está muito forte, time muito competitivo. Tira um coloca o outro, e não cai, muito importante pela qualidade. Vamos em busca de poder seguir na Copa Libertadores, desejo de todos. Temos possibilidades.

A responsabilidade é maior?
Todo mundo já vai vir esperando o Cruzeiro da mesma forma, e temos que mudar algumas coisas, jogar diferente, mais importante é a constância. Seguir jogando dentro de casa, pontuar fora, na maioria dos jogos. Assim, temos grande chances de brilhar, acostumado a ganhar.

Qual o segredo?
Criamos um ato de não perder, é o principal de tudo, quando você não perde, a possibilidade de ganhar aumenta muito. Somos forte dentro de casa, poucas derrotas, fora de casa conseguimos vitórias.

O Cruzeiro de hoje é o São Paulo de ontem?
Não posso dizer que é, cada clube vive um momento. O time encaixa todas as peças, tudo que foi acionado, produzido pelo diretor, encaixa, e as coisas começam a funcionar naturalmente. Vão jogando bem, tudo funciona, o elenco é muito bom, isso ajuda. Não temos problema nenhum.