icons.title signature.placeholder Guilherme Cardoso
15/03/2014
14:43

Com 28 anos e uma Olimpíada disputada (foi prata em Londres-2012), Alison tem opiniões fortes. Longe de querer criar polêmicas, muito pelo contrário. Mas o jogador de vôlei de praia não se esquiva das perguntas ou arranja alguma desculpa para não respondê-las.

E para o medalhista olímpico, muitos atletas brasileiros não estão preparados para a disputa dos Jogos de 2016, no RIo de Janeiro.

- Os atletas têm de se preparar para a mídia, a pressão e a evolução do esporte. Não é só achar que vai chegar no dia do jogo e ganhar na marra, vai ser necessário muito mais. No geral, os esportistas não estão preparadas - afirmou o jogador.

Alison ainda comentou a atual situação da Confederação Brasileira de Vôlei (CBV). Nos últimos dias, a ESPN Brasil apresentou diversas denúncias sobre o pagamento de milhões de reais em comissões a intermediários por acordos de patrocínio com o Banco do Brasil. Na sexta-feira, o presidente licenciado da entidade, Ary Graça, pediu desligamento do cargo.

- É claro que ficamos surpresos com esse problema. Deixa triste, porque é muito dinheiro envolvido. Não são R$ 2 milhões, são R$ 20 milhões. Mas eu sou atleta, tenho que me focar no meu trabalho. Mas deixa muito triste - declarou.

Ao lado de Bruno Schmidt, Alison disputa a final do vôlei de praia nos Jogos Sul-Americanos do Chile, neste sábado, em Santiago. Eles vão encarar os chilenos Esteban Grimalt e Marco Alfonso Grimalt na decisão.

*O repórter viaja a convite do COB