icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
25/03/2014
15:38

Vítima de atos racistas da torcida do Real Garcilaso (PER),  em jogo válido pela Copa Libertadores, Tinga, do Cruzeiro, aceitou o convite para ser embaixador da causa anti-racismo. Em parceria com a Central Única das Favelas (CUFA) do Rio Grande do Sul, o jogador lançou na última segunda-feira a campanha "Chutando o Preconceito".

Campeão da Libertadores de 2006 ao lado de Tinga,  no Internacional, o meia Alex elogiou a ação do ex-colega, que é "uma pessoa de excelente índole".  A Conmebol não aplicou uma punição dura aos envolvidos no caso. Segundo o atleta colorado, é necessário que medidas mais drásticas sejam tomadas para extinguir o preconceito no futebol. 

Tinga virou embaixador do projeto "Chutando o Preconceito". (Foto: Arquivo LANCE!)


- Torcedores  deveriam ir ao estádio para apoiar o time, e não para discriminar jogadores. É lamentável essas coisas que ainda acontecem no futebol. E dificilmente vão acabar enquanto as autoridades responsáveis não tomarem providências severas. Fico feliz que o Tinga participe desse projeto com a CUFA. Cria-se uma expectativa para que novos atos como esse não aconteçam mais no futebol e em nenhum outro esporte - revelou.

Nesta quarta-feira, Alex entra em campo para defender o Inter, diante do Caxias (RS). A partida, válida pela semifinal do Campeonato Gaúcho, será realizada no Estádio do Vale, em Novo Hamburgo