icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
30/07/2013
18:29

O capitão colorado D'Alessandro revelou, em entrevista coletiva na tarde desta terça-feira, a frustração com a decisão da Brigada Militar em realizar o Gre-Nal da Arena com torcida única. O meia argentino falou como acredita que reagirá no domingo, ao ver no clássico entre Grêmio e Internacional um estádio somente com gremistas:

- A torcida não vai estar lá quando a gente precisar. Não vamos ver nossa camisa vermelha e o torcedor comparecendo. Mas dentro de campo, são 11 jogadores contra 11 - declarou.

O jogador mostrou decepção, em especial, pelos torcedores do Inter:

- A gente lamenta pelo torcedor, que vai aos jogos para nos apoiar. Só que, infelizmente, é uma decisão da Brigada (Militar), e está seguindo um padrão recente do futebol.

D'Alessando destacou que a situação vem acontecendo também em seu país de origem:

- Na Argentina, há jogos sem torcida visitante. Inicialmente, se esperava que melhorassem as coisas em relação à violência, mas até agora não mudou muito - lamentou.


O capitão colorado D'Alessandro revelou, em entrevista coletiva na tarde desta terça-feira, a frustração com a decisão da Brigada Militar em realizar o Gre-Nal da Arena com torcida única. O meia argentino falou como acredita que reagirá no domingo, ao ver no clássico entre Grêmio e Internacional um estádio somente com gremistas:

- A torcida não vai estar lá quando a gente precisar. Não vamos ver nossa camisa vermelha e o torcedor comparecendo. Mas dentro de campo, são 11 jogadores contra 11 - declarou.

O jogador mostrou decepção, em especial, pelos torcedores do Inter:

- A gente lamenta pelo torcedor, que vai aos jogos para nos apoiar. Só que, infelizmente, é uma decisão da Brigada (Militar), e está seguindo um padrão recente do futebol.

D'Alessando destacou que a situação vem acontecendo também em seu país de origem:

- Na Argentina, há jogos sem torcida visitante. Inicialmente, se esperava que melhorassem as coisas em relação à violência, mas até agora não mudou muito - lamentou.