icons.title signature.placeholder Igor Siqueira
14/07/2014
07:13

Há alguns anos, a Alemanha é que estava no lugar do Brasil. Uma seleção atropelada em competições importantes, sem muita esperança no horizonte por causa da falta de organização do futebol. Mas aí veio a guinada e o resultado - depois de alguns 'quases' - apareceu no Maracanã, com a vitória sobre a Argentina na final da Copa do Mundo. Qual o segredo? O ex-atacante e atual diretor esportivo da Federação Alemã, Oliver Bierhoff, explica.

- É um prêmio para o futebol alemão. Um esforço que começamos em 2000, com muito investimento na educação dos jogadores, vindo dos clubes e da Federação. Ficamos próximos nos últimos torneios e os jogadores não queriam perder essa oportunidade - disse ele a jornalistas brasileiros no Maracanã.

Na visão de Bierhoff, o Brasil precisa se mexer para voltar a ter um time temido mundialmente.

- O sucesso não vem por acaso. É preciso trabalhar duro, colocar dinheiro. Nós também falhamos alguns anos depois de 1990. Ganhamos a Copa do Mundo e todo mundo ficou relaxado. Mas é preciso dar mais e fazer mais todo dia. Investir em bons técnicos, haver uma relação próxima entre federação e clubes. O Brasil é o país do futebol. Tem talento suficiente. É pegar eles e fazê-los ter dedicação - completou.

Apesar de não ter sido alvo de elogios dentro de campo, o Brasil deixou boa impressão fora dele.

- Como em todo grande torneio, houve muita críticas e dúvidas, mas o Brasil foi muito bem. Uma ótima organização, a logística, transporte, ótimas pessoas... Tivemos um tempo muito bom em Campo Bahia, em Porto Seguro. Acho que os brasileiros gostaram do time da Alemanha também - finalizou o dirigente alemão, não descartando que a Seleção Brasileira possa ir bem na Rússia, em 2018:

- É um momento. Não significa que em quatro anos o Brasil não possa virar o jogo.