icons.title signature.placeholder Pedro Barboza
27/11/2014
20:22

Diante do América-RN, no segundo jogo das quartas de final da Copa do Brasil, na segunda semana de outubro, Alecsandro se envolveu em forte dividida e acabou fraturando a cabeça. Da saída do campo até encontrar os médicos no hospital, um percurso que durou entre duas e três horas, o atacante admitiu ter cogitado encerrar a carreira. Nesta quinta-feira, pela primeira vez, o jogador do Flamengo falou sobre estes sentimentos.

– Por se tratar de uma lesão na cabeça, frontal, não tinha vivido isso em nenhum clube, acabei pensando nisso no caminho do campo até na hora que o doutor Augusto Cesar (responsável pela cirurgia) me encontrou. Esse tempo levou duas ou três horas e me fez pensar em encerrar a carreira. Uma lesão na cabeça você acaba achando que vai mexer no cérebro, um filme de tudo passou no meu pensamento – admitiu o jogador, que ainda revelou um plano de estar em campo caso o Fla fosse à final da Copa do Brasil.

- Tivemos uma preparação para jogar no último jogo da Copa do Brasil, pensamos em correr esse risco e como não aconteceu, isso não veio a público. Se voltasse agora estaríamos dentro do prazo, mas preferimos poupar, ir para as férias e saber que estou apto a voltar a jogar futebol.

MAIS FLAMENGO
> Sem confirmar acerto, Thallyson garante: 'Sonho em jogar no Fla'
> Em coletivo pegado, Elton e Marcelo ganham vaga entre os titulares
> Flamengo inicia reflexão para não repetir os mesmo erros em 2015

Alecsandro voltou a participar dos treinos com bola na terça-feira, mesmo não estando apto a entrar em campo – a sua volta está prevista para o início de 2015. O atacante afirmou ainda ter receio de cabecear, evitando um pouco a situação nas primeiras atividades. Enquanto isso, ele garantiu que tem outra forma de finalizar: o uso do calcanhar.

– O treino ainda está 50%, ainda tenho receio, mas o futebol é assim. Estou em fase de adaptação, tenho uns dez dias para treinar e cabecear tranquilamente. Temos histórico de outros atletas que tiveram essa lesão e estão jogando. Isso é como quebrar uma perna, dá receio, mas quando sair o primeiro gol acaba. Enquanto isso, vou usando o calcanhar como viram no treino (risos) – concluiu.