icons.title signature.placeholder Luiz Gustavo Moreira
icons.title signature.placeholder Luiz Gustavo Moreira
19/07/2013
09:03

O Botafogo teve uma grande ajuda para manter o zagueiro Dória. Um grupo de investidores, torcedores do Glorioso, entrou em contato com o BMG para comprar os 20% dos direitos econômicos do atleta pertencentes ao banco mineiro. Ao adquirir este percentual, o fundo de investimento tem direito a decidir o futuro do camisa 21 junto ao Alvinegro (que detém 40%) e dos empresários do jogador (que detêm os demais 40%).

A medida tomada pela diretoria alvinegra deu-se pela profunda crise financeira que vem vivendo o clube desde o fechamento do Engenhão, em março. As recentes sondagens de clubes portugueses, como Porto e Benfica, também intensificaram as negociações.

Antes de vender os 20% que tinha direito, o BMG desejava pagar cerca de 8 milhões de euros para adquirir os outros 80% de Dória – conforme a cláusula contratual permitia – e repassá-lo ao Porto. O Botafogo teria duas saídas: negociá-lo ou pagar o valor referente ao que detinha o banco, invertendo a situação.

E MAIS
> Renato diz que Bota tem obrigação de vencer o Náutico, por atuar em casa
> Diretor alemão de filme no qual Dankler é personagem, torce pelo Bota
> Em busca da glória após drama, Dankler é 'astro' de filme internacional
> Jogadores do Botafogo decidem não se concentrar antes de pegar o Timbu

Porém, com a proposta deste grupo de investidores alvinegros, o BMG considerou melhor um negócio mais garantido, apesar de ser em menor valor. Segundo o LANCE!Net apurou, os investidores não terão posse de nenhum outro jogador alvinegro, por enquanto.

Na última quarta-feira, o Alvinegro foi comunicado que a Justiça penhorou os direitos econômicos de Dória, caso o atleta seja vendido. O processo é referente às dívidas do clube com a Receita Federal e com a Fazenda Nacional.

O Botafogo teve uma grande ajuda para manter o zagueiro Dória. Um grupo de investidores, torcedores do Glorioso, entrou em contato com o BMG para comprar os 20% dos direitos econômicos do atleta pertencentes ao banco mineiro. Ao adquirir este percentual, o fundo de investimento tem direito a decidir o futuro do camisa 21 junto ao Alvinegro (que detém 40%) e dos empresários do jogador (que detêm os demais 40%).

A medida tomada pela diretoria alvinegra deu-se pela profunda crise financeira que vem vivendo o clube desde o fechamento do Engenhão, em março. As recentes sondagens de clubes portugueses, como Porto e Benfica, também intensificaram as negociações.

Antes de vender os 20% que tinha direito, o BMG desejava pagar cerca de 8 milhões de euros para adquirir os outros 80% de Dória – conforme a cláusula contratual permitia – e repassá-lo ao Porto. O Botafogo teria duas saídas: negociá-lo ou pagar o valor referente ao que detinha o banco, invertendo a situação.

E MAIS
> Renato diz que Bota tem obrigação de vencer o Náutico, por atuar em casa
> Diretor alemão de filme no qual Dankler é personagem, torce pelo Bota
> Em busca da glória após drama, Dankler é 'astro' de filme internacional
> Jogadores do Botafogo decidem não se concentrar antes de pegar o Timbu

Porém, com a proposta deste grupo de investidores alvinegros, o BMG considerou melhor um negócio mais garantido, apesar de ser em menor valor. Segundo o LANCE!Net apurou, os investidores não terão posse de nenhum outro jogador alvinegro, por enquanto.

Na última quarta-feira, o Alvinegro foi comunicado que a Justiça penhorou os direitos econômicos de Dória, caso o atleta seja vendido. O processo é referente às dívidas do clube com a Receita Federal e com a Fazenda Nacional.