icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
03/11/2014
18:42

Anunciado nesta segunda-feira, o regulamento do Campeonato Paulista 2015 não agradou ao presidente do São Paulo, Carlos Miguel Aidar. O dirigente reclamou da regra que limita a 28 o número de jogadores escritos na competição e disse que foi o único a votar contra esta medida.

- Reclamei do número de jogadores e fui voto vencido. Quero usar o Paulista como um grande laboratório para jogadores da base, mas não conseguirei. Faltou essa sensibilidade, tem time na primeira divisão que nem base tem. Tem time que quer dividir renda com os outros - disparou o dirigente, segundo o site "Globoesporte.com".

A Federação Paulista de Futebol adotou a nova regra, principalmente, para impedir que os clubes utilizem jogadores considerados reservas. Aidar disse que até aceitaria o limite, desde que atletas da base não entrassem na conta.

- Nós investimos R$ 30 milhões por ano na base do São Paulo. Onde as pessoas querem que eu teste esses meninos? O sub-20, o sub-17 e o sub-15 não servem para isso. Nós queríamos aproveitar o Campeonato Paulista, mas isso não vai ser possível - afirmou o mandatário.

O dirigente são-paulino ainda sugeriu que as competições no Brasil precisam ter menos clubes, tanto o Paulistão quanto o Campeonato Brasileiro.

- O Brasileiro poderia cair para 16 clubes, espaçando mais os jogos, dando mais tempo, condição de recuperação. Mas isso não interessa à CBF, porque a sustentação política dela está nos presidentes das federações, e eles querem estaduais longos. Vamos continuar reclamando desses atropelos da vida. Hoje o São Paulo chegou às 4h da manhã, depois vamos fazer uma viagem de 16 horas para jogar na quarta-feira. Isso é desumano - detonou.

O calendário tem sido motivo de críticas fortes do técnico Muricy Ramalho. O treinador reclama que a sequência de jogos está deixando os jogadores no limite e prejudica a qualidade do jogo. No último domingo, contra o Criciúma, o São Paulo perdeu Maicon, com uma lesão no joelho direito.