icons.title signature.placeholder Thiago Ferri
30/07/2014
10:11

Pedido de Ricardo Gareca para reforçar o ataque, Facundo Ferreyra é uma opção difícil. Seu agente, Maximiliano Lo Russo, não crê na liberação do Shakhtar Donetsk (UCR).

– É difícil a sua saída da Ucrânia. O Shakhtar pagou um valor alto por ele – disse Lo Russo ao LANCE!Net, lembrando que Facundo foi contratado em 2013, do Vélez Sarsfield (ARG) ainda de Gareca, por quase R$ 20 milhões.

O Verdão tentou negociá-lo por empréstimo, mas o clube europeu não topou. O jogador foi um dos que atrasou sua reapresentação na Ucrânia, por conta dos conflitos no país, mas se desculpou e já treina com grupo.


Em contato com a reportagem, Facundo lembrou que teve um bom ano sob o comando do técnico palmeirense (ele foi artilheiro na conquista do título argentino de 2012), e evitou comentar sobre o Palmeiras e seu futuro: "hoje, sei que estou aqui (na Ucrânia)".

O argentino de 23 anos não é o único nome para o setor. Lucas Pratto, do Vélez Sarsfield (ARG), é uma opção distante – ele agora negocia com o River Plate (ARG), atual campeão argentino, e que o trata como prioridade para o ataque. Ricardo Oliveira, de 34 anos, e hoje no Al Wasl (EAU), foi cogitado e até recebeu uma sondagem, mas ainda não houve proposta por parte do Palmeiras.

Para a armação, o time segue interessado em Maxi Moralez, da Atalanta (ITA), comandado por Gareca no Vélez entre 2009 e 2011. O jogador treina na Itália, na pré-temporada de sua equipe, mas também deseja atuar no Verdão. Ele tem mais um ano de contrato com o clube europeu, e o Palmeiras foi informado inicialmente de que o meia custa 4 milhões de euros (R$ 12 milhões). O acordo, porém, pode sair até por um valor mais baixo.