icons.title signature.placeholder Francisco Loureiro
18/11/2014
07:00

Na Ambev desde 2005, o gerente de marketing da marca Brahma, Leandro Ribeiro Mendonça falou ao Lance!Bizz sobre as mais recentes ações de marketing de seu departamento. No início do mês, Ribeiro deu início ao projeto "Viva o Campinho", que vai reformar 300 campos de várzea pelo país para "revitalizar esse espaço tão importante de integraçação e assim devolvermos para a comunidade", segundo o executivo.

Outra ação recente e bem sucedida foi a Supertransmissão Brahma, que reuniu mais de cinco mil cruzeirenses no Chevrolet Hall para a primeira final da Copa do Brasil contra o Atlético-MG, dia 12 de novembro. "Nós vivemos muito a verdade do futebol", explica Mendonça sobre sua equipe. Confira abaixo a entrevista com o executivo.

Como surgiu a ideia do projeto Viva o Campinho?
Na verdade, a nossa ideia veio debaixo do guarda chuva do Movimento por um Futebol Melhor. Nós já temos como causa de apoiar o futebol. E não só no patrocinio. Queremos fazer o futebol crescer, ter relevancia. E existe a oportunidade e o potencial pra aumentarmos a exposição. O futebol brasileiro tem suas origens no campinho, é super relevante. Isso tá muito próximo do torcedor, que vive o futebol na comunidade dele.

O projeto é bem grande. Quando os 300 campinhos estarão entregues?
Vários desses campinhos não estão 100% prontos para praticarem. Essa iniciativa é para ter um futebol melhor. Realmente o objetivo é revitalizar e campinho e devolver pra comunidade. Já começaremos mais 4 campos em São Paulo. E na próxima etapa teremos uma aceleração boa, serão mais de 100 campos numa tacada só.
 
A Copa Kaiser movimentava bastante a cena do futebol de várzea. A Brahma tem algum plano nesse sentido, aproveitando esse contato com a comunidade?
Existe a oportunidade sim, é um legado. Garantindo espaço para a comunicade. Sabemos que apoiar o campinho é uma reforma, é por um bem maior. Tem sua importância e tem seu papel. Em Manaus, apostamos no Peladão, com campeonato de futebol amador e campeonato de rainhas das equipes. E gostamos de achar que isso tem uma relevância para o futebol da cidade, das comunidades.

A ação em BH mostra que a Brahma quer ocupar os espaços que os clubes de futebol não ocupam, como no Movimento por um futebol melhor. Como funciona essa tendência?
A Brahma tem, sem dúvida, muitos adjetivos. A gente apoia o futebol, reforma os campos, patrocina o espetáculo. A gente vive muito a verdade do futebol, acompanhando de forma séria. E por isso, a gente entede como que funciona, os problemas. Onde pudermos, vamos ajudar os torcedores, e conseguimos trazer soluções. O clássico em Minas, que seria dividido entre as torcidas, a gnete viu a oportunidade de ter uma experiência com o torcedor do Cruzeiro. É a verdade da marca, colocar a marca pra agir. Construímos verdades para nossas plataformas.