icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
30/07/2014
11:29

Ele está de volta. Depois de 18 anos, Luiz Felipe Scolari foi apresentado como novo técnico do Grêmio na manhã desta quarta-feira, no auditório da Arena. Depois de desembarcar com festa no Aeroporto Internacional Salgado Filho, recebeu uma camiseta do Tricolor das mãos de Fábio Koff com o número 1 e admitiu que também precisa de um "abraço" no momento, e que só o Grêmio poderia proporcionar isso. O treinador foi aplaudido em diversos momentos pela torcida gremista presente no local e falou que conseguiu superar o período de sufoco das últimas duas semanas, com críticas definitivas após o 7 a 1 sofrido pela Seleção.

- Todo mundo sabe que aqui é a minha casa. O único time que aceitaria treinar depois de um trabalho e que eu tinha outra ideia, é o Grêmio. Neste momento que preciso de um abraço, um carinho, eu sei que o Grêmio é esse time. Nada me faz mais feliz do que estar aqui hoje - se pronunciou Felipão.

Felipão foi contatado na noite de domingo por Koff. Inicialmente estava convicto de manter seu planejamento de não trabalhar. Mas afirmou que apenas o Tricolor poderia o tirar deste período sabático após a goleada da Alemanha. E não se importou de se agregar a um trabalho em andamento por conta da experiência anterior de já ter feito isso, tanto em 87 quanto em 93.

Durante a entrevista, ainda brincou com a palavra "projeto" e o técnico Vanderlei Luxemburgo, com passagem recente pelo clube. E que acredita em títulos ainda em 2014.

- Pela qualidade que temos, é possível acreditar. Quem ganhou, tem que acreditar que tem condições de ganhar - disse Felipão.

O início do pronunciamento foi cheio de piadas. Koff brincou sobre a sacola vazia, que estava com a camisa e um cachecol do clube, dados a Felipão, que ali reuniria dinheiro para pagar o salário do treinador. Depois, Scolari afirmou que foi ele que pagou o almoço de ambos na zona oeste de São Paulo.

- Que sejamos felizes. Que possamos devolver ao Grêmio o que é do Grêmio - disse Koff.

O retorno de Felipão também tem um significado "místico". Por conta do jejum de 13 anos sem título, a presença do vitorioso treinador minimiza um pouco a pressão sobre o time. Scolari ganhou em sequência a Copa do Brasil, a Libertadores e o Brasileirão, entre 94 e 96.

Os contatos iniciaram ainda na noite de domingo, segundo Koff. Depois de acertar a saída de Enderson, o presidente ligou para o amigo Felipão. Ambos continuaram a conversa na segunda-feira. E nesta terça, acompanhado do advogado Gabriel Vieira, fecharam os detalhes em São Paulo. A intenção de Koff era ter Felipão antes de ele assumir a Seleção Brasileira, no final de 2012.